Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Queridos, chegou a altura de mudar!

Ba 08.08.17

IMG_1056.JPG

A vida é feita de ciclos e chegou o tempo de um novo. Estou de saída do universo SAPO. Queria aproveitar e deixar uma nota de agradecimento a toda a equipa que me acolheu desde o início. Primeiro à Isabel que me desafiou para fazer parte desta família, depois ao Pedro que me acompanhou desde o ínicio, com todas as mudanças, alterações de layouts e esclarecimentos de dúvidas. À Madalena por todo o apoio nas diversas áreas em que trabalhámos, à Joana pelas trocas de ideias e ajuda, à Rita por aceitar sempre as minhas sugestões, à Filipa por toda a receptividade e simpatia. No fundo, a toda a equipa SAPO (desculpem se me esqueci de alguém) que me acompanhou ao longo destes últimos anos o meu sincero agradecimento. Hoje se também posso dar o salto para crescer ainda mais deve-se a vocês.

 

Aos meus queridos leitores - e porque sem vocês este blog não existia - apenas dizer que a morada à qual se devem agora dirigir, colocar nos favoritos, partilhar, etc é: www.asdicasdaba.pt. Não tem nada que enganar.

 

Nas redes sociais continua tudo igual: Facebook, Instagram e Canal de Youtube (aqui haverá novidades, por isso, passem por lá subscrevam e ativem as notificações).

 

Encontram-nos na nova casa. Até já!

Como vai o Desafio das 52 Semanas?

Ba 02.08.17

 

FullSizeRender 44.jpg

Pensavam que me tinha esquecido? Nada disso. Então vamos lá a saber: quem é que ainda está a fazer o Desafio das 52 Semanas? Como está a correr? Que modelo optaram (crescente? decrescente? bingo? outro?)? 

 

Para quem não sabe, no início do ano passado (2016) escrevi aqui no blog sobre uma forma de poupar mais de 1300 euros num ano. Apresentei-vos o Desafio das 52 Semanas. Foi um post completamente viral falado nas televisões, rádios, imprensa, etc.

 

Como funciona o Desafio das 52 Semanas?

Há 52 semanas num ano e por cada semana poupamos o correspondente a essa semana em euros. Assim sendo, na 1ª semana poupamos 1 euro, na 2ª semana poupamos 2 euros, e assim consecutivamente até à 52ª semana em que, nessa semana, poupamos 52 euros. Tudo somado e, no final do ano, terão colocado de lado 1.378 euros.

 

Desde então expliquei também que há outros métodos e que cada pessoa, que queira fazer, pode optar por valores que de ajustem ao orçamento (por exemplo, optar pelo método dos 0,50 euros) e adaptem a metodologia. O importante aqui é o ato de poupar em si, independentemente do valor.

 

Pois bem, quem me acompanha sabe que eu gosto de optar pela modalidade inversa. Ou seja, começo com a poupança maior e o valor vai diminuindo ao longo do tempo. Na primeira semana começo a poupar 52 euros, na segunda poupo 51 euros e assim consecutivamente. Na última semana (a 52ª) apenas tenho de colocar de parte 1 euro. Faço assim porque no início do ano estou mais motivada e aproveito o dinheiro extra do subsídio de Natal.

 

Quem começou pela modalidade inversa, por esta altura, deverá ter mais de 1.100 euros de lado. Quem começou pela crescente tem quase 250 euros de parte. Se ainda não fez mais gostava de fazer apenas tem de ir aqui e fazer o download do calendário. Arranjar um recipiente para colocar o dinheiro (eu prefiro um frasco/pote transparente), colocar o calendário e começar a poupar, assinalando quanto já colocou no mealheiro.

 

Eu sei que estamos em Agosto, mas nunca é tarde para começar. E no final do ano sabe sempre bem ter aquele montante de lado que depois podem destinar para os vossos sonhos e objetivos.

 

Fica a dica!

Partilhem!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

O que fazer com o subsídio?

Ba 01.08.17

bank-note-209104_1920.jpg

Muitos portugueses aproveitam o dinheiro dos subsídios para umas merecidas férias, para pagar algumas despesas extras ou mesmo poupar. Além de gastar, existem três destinos que poderá dar a esse rendimento extra:

 

Poupar

Aproveitar o subsídio para poupar tem sido uma opção a que muitas famílias têm recorrido nos últimos tempos, de forma a prevenir algumas situações imprevistas que possam vir a acontecer. Para quem não tem qualquer tipo de poupança, aproveitar os subsídios para colocar algum dinheiro de parte pode ser uma boa opção, seja o objetivo constituir um fundo de emergência, poupar com uma finalidade específica como ir férias, mudar os móveis da casa, para uma conta dos filhos ou outra meta qualquer. Já para quem tem algum dinheiro de parte pode ser uma oportunidade de reforçar a poupança. O ideal é que tenha uma poupança de emergência para alguma eventualidade e depois outras cestas de poupança, como por exemplo para a reforma.

 

Amortizar dívida

Reduzir dívida. Este é outro dos destinos que poderá dar ao subsídio. Assim, pode aproveitar o rendimento extra para amortizar parcial, ou totalmente, uma dívida. Caso consiga eliminar, por exemplo, o pagamento de um cartão de crédito será uma boa forma de ganhar folga no seu orçamento. Além de contribuir para o seu desendividamento está também a conseguir ganhar margem para, com esse dinheiro, definir novos objetivos. Deve ter atenção que, caso tenha mais do que um empréstimo e tem dúvidas sobre qual abater, deve começar por aqueles que apresentam taxas de juro mais elevadas. 

 

Investir

Para quem prefere optar por uma poupança mais de médio e longo prazo, como para a compra de casa, universidade dos filhos ou mesmo para a reforma, investir o subsídio é uma opção a ter em conta. Aplicação de dinheiro em produtos de investimento deve obedecer sobretudo ao seu perfil de risco: conservador, moderado, arriscado. Os depósitos ou Planos Poupança Reforma sob a forma de seguros tendem a apresentar rendibilidades mais baixas mas garantem o capital aplicado. Caso opte por investir, por exemplo, em ações ou fundos apesar de haver a possibilidade de obter um maior retorno, o risco também é maior. O importante é informar-se sobre os vários produtos e opções de investimento. O ideal será conseguir um rendimento, pelo menos, acima do valor da inflação, caso contrário não estará a rentabilizar verdadeiramente o seu dinheiro, uma vez que o efeito da inflação (subida generalizada) acaba por poder anular o retorno. 

 

Faça as contas e veja qual o melhor caminho a dar ao seu subsídio. Poderá também optar por um combinação das três opções. O importante é que tome a melhor decisão para a sua estabilidade financeira.

 

Fica a dica!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.