Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

O Orçamento familiar "ideal"

Ba 19.03.13

Não existe uma receita infalível ou um modelo perfeito para saber qual a melhor forma de cada um de nós gastar o seu dinheiro. O que fazemos é utilizar valores indicativos que nos ajudem a regular as despesas. Por serem indicativos cada pessoa deve adaptar a distribuição das despesas ao seu caso específico.  Sobretudo porque a estrutura é diferente de casa para casa, por causa de questões como ter carro, ser obrigado a fazer muitas refeições fora de casa por causa do trabalho, ter filhos, pagar infantário ou escola, morar longe do emprego, etc. 
Ainda assim, é sempre bom existir um ponto de referência, para que a partir daí consigamos criar o nosso próprio orçamento familiar ideal, ou seja, definir que percentagem é que cada categoria deve pesar no nosso orçamento familiar. 

Em cada uma destas grandes categorias definidas estão inseridas subcategorias e a distribuição do dinheiro por elas depende, sempre, de cada situação familiar. 

Através deste exemplo poderá ver como agrupar as categorias, sendo que a única que nunca deve mexer, a não ser para aumentar a percentagem, é a fatia destinada à poupança. Ou seja, do total do seu rendimento mensal, só dispõe de 90% por cento para distribuir pelas diversas despesas, porque 10% ficaram cativos. 

Sublinhe-se que, no caso da habitação, o valor definido como indicativo também deverá ser cumprido, sendo encarado como um máximo. Ou seja, as despesas com a casa devem, no máximo, representar 35% do seu orçamento mensal. 



Desta forma e tendo isto em conta, e de acordo com o que revelo no meu livro, um orçamento ideal poderia ser assim distribuído: 

Habitação (35%): Prestação ou renda da casa e respectivos seguros; despesas água, luz, gás, Internet e telefone; condomínio e algumas reparações. 

Alimentação e despesas diárias (25%): Compras de supermercado, almoçar ou jantar fora; diversão e entretenimento; férias.

Transportes (15%): prestação do carro e respectivo seguro; combustível; parque de estacionamento; reparações com o automóvel ou mota; bilhete/passe social de transportes públicos. 

Outros empréstimos (15%): crédito pessoal; cartão de crédito; prestações de electrodomésticos. 

Poupança (10%): montante que deverá colocar logo de parte no inicio de cada mês.  

Mais sobre o tema em "Tempos Complicados, Soluções Simples - Aprenda a gerir melhor o seu dinheiro", editado pela Oficina do Livro.

Fica a dica: para chegar a uma distribuição ideal do seu orçamento familiar, na qual está prevista uma fatia destinada à poupança, é preciso  alguma ginástica orçamental, organizar a casa, saber para onde tem andado a fugir o seu dinheiro para assumir o controlo das despesas. 

Acompanhe "As Dicas da Bá" também no Facebook. Clique aqui e faça "like" da página.

2 comentários

Comentar post