Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Entrega de IRS: Um bicho de várias cabeças

Ba 05.05.15

IRS.jpeg

 

No dia 1 de Maio arrancou o período de entrega do IRS, através da internet, para quem tem trabalho independente, ou seja, recibos verdes. Cá por casa aproveitámos o fim de semana grande e decidimos pôr mãos à obra, como fazemos todos os anos. Já temos tudo organizado em pastas com as despesas para as deduções, mais os comprovativos de rendimentos que, à partida, devem bater com os valores já pré-preenchidos na declaração (a não ser que alguma entidade não tenha declarado corretamente o valor, o que às vezes acontece).

 

Todos os anos há sempre umas alterações, quer de deduções, quer de montantes a abater. Eu própria, que até não sou completamente alheada do tema, chego a esta altura e já confundo que montantes é que são válidos para o IRS que estou a entregar. Por exemplo, as despesas gerais são válidas apenas em 2015, cuja declaração é entregue em 2016. Ora, comtantas mexidas uma pessoa confunde-se.

 

Depois, este ano deparei-me que houve um campo onde é para colocar os rendimentos dos recibos que mudou de sítio. Já não basta aquela linguagem que ninguém percebe e tenho de andar à procura do novo campo, que mudou face à declaração do ano passado. 

 

Como se não bastasse, como houve união de freguesias, no campo da casa, tem de se preencher o novo "artigo", ou seja, o código referente à freguesia. Para isso, temos de ir a uma outra zona do site das finanças consultar qual é o código. Quando pensamos que está tudo ok e resolvemos "validar", há sempre um erro de alguma coisa que escapou. Lá carregamos no campo que é indicado e, muitas vezes, ficamos na mesma porque não percebemos o que querem.

 

Com as trocas e baldrocas de todos os anos eu só imagino a dificuldade que muitas pessoas devem ter em preencher o IRS. E não devia ser assim. Cada pessoa devia conseguir preencher a sua própria declaração de rendimentos mas para isso convinha perceber. E, uma vez mais, eu até estou bastante à vontade mas reconheço que não é fácil.

 

É então que me pergunto: Uma pessoa para conduzir tem de tirar a carta, certo? Temos de aprender para saber. Então como é que me "obrigam" a preencher o IRS sem nunca me ensinarem como se faz? Fará algum sentido uma pessoa começar a trabalhar e ser obrigado a ter de preencher uma declaração sem perceber patavina do que lá está? Não deveria ser a linguagem mais simples? E tanta mudança todos os anos também para quê? Quantas pessoas não devem conseguir maximizar os benefícios porque não percebem?

 

Ainda ontem estive a ajudar umas amigas que não percebiam uns erros que lhes dava na declaração. Ah, já para não falar que tive de entregar a declaração da minha avó que tem 85 anos. E quem não tem quem lhes faça? Caramba, isto deixa-me mesmo indignada! No próximo ano organizo um workshop para ajudar as pessoas a preencher o IRS. Já que o Governo parece demitir-se dessa função!

36 comentários

Comentar post

Pág. 1/2