Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Os problemas de levar os miúdos à escola de fato de treino ou pijama

Ba 30.01.16

take kids to schooll.jpg

Quem já levou os filhos à escola de fato de treino (e não é professor de educação física nem vai para o ginásio), ou mesmo de pijama, ponha os braços no ar! \o/ (estou a ver uns sorrisos mas os braços para baixo. Vá confessem!)  Pois é meus amigos, a grande maioria de nós já o fez.

 

Eu sei que é verdade que há dias que uma pessoa atrasa-se e os miúdos não ajudam e andam molengões.  E para não chegarem quase à hora de almoço à escola, optamos por vestir qualquer coisa (lá está o fato de treino, ou mesmo uma camisola por cima do pijama) e vamos a voar pô-los à escola para depois regressar a casa e, finalmente, vestirmo-nos para ir trabalhar. 

 

No entanto, eu queria falar-vos dos problemas de irmos vestidos com estas indumentárias alternativas (falo pela minha experiência). São essencialmente três

 

1) Toda a gente vai reparar. Nós achamos que não importa, que um fato de treino ou uma camisola por cima está óptimo. Estamos só descontraídos, casual, e confortáveis (not!). O nosso cabelo está todo no ar não só porque não nos penteámos como começámos a manhã aos berros com a pequenada para se despacharem. Basicamente, estamos só com ar de alucinados.

 

2) Os óculos escuros não nos tornam invisíveis. Esqueçam: os óculos escuros minimizam (apenas porque não nos olham para os olhos) mas não resolvem. É como se tivessemos uma seta gigante a apontar para nós a dizer "Red alert: Acabou de sair da cama!!!). E sim, eu nestas ocasiões ponho os óculos escuros dentro de casa e só volto a tirar quando regresso. Mesmo que tenha de entrar na sala de aula não tiro os óculos.

 

2) Encontrar pessoas conhecidas. Esta é aquela parte mais espetacular de todas. Uma pessoa anda sempre toda catita, ou vá, apresentável. Pois é no dia em que vai assim de fato de treino com resto de comida da pequeno-almoço nas calças que nos cruzamos com pessoas conhecidas. E conhecidas entenda-se: pessoas que trabalham noutras empresas, até com cargos importantes, e com as quais tenho de lidar profissionalmente. Eu só fico a pensar: "Olha que sorte. Estou toda desgrenhada, com um fato treino cheio de papa e fui-me cruzar com o CEO da empresa que vou entrevistar amanhã. Ahhhh... que maravilha! Deve estar a pensar coisas óptimas". Sinto que é quase como me conhecesse na intimidade. É aquele efeito de andamos de biquini a fazer túneis na areia, no verão, no Algarve (onde está 2/3 da população portuguesa), e subitamente ouvimos: "Olá Bárbara, está tudo bem?". E quando olhamos, pimbas. Lá está. Uma pessoa com a qual nos relacionamos profissionalmente a ver-nos de biquini. Praticamente despidas, de rabo para o ar e cheia de areia. Um quadro lindo!

 

É por isso, meus amigos, que eu agora não vou mais nestas figuras. Tenho já umas 2 a 3 roupas preparadas para estas ocasiões que são rápidas de vestir e não comprometem. Os óculos mantenho e o cabelo procuro, pelo menos, pentear. No verão tudo isto é mais fácil. É só pôr um vestido, umas sandálias, e voilá! Aqui vamos nós em versão Boho Chic.

 

Portanto, separem já umas roupas S.O.S. Nunca se sabe se na próxima semana não teremos de recorrer à indumentária alternativa.

 

Fica a dica!

13 comentários

Comentar post