Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Casais já podem corrigir a declaração de 2015 e entregar IRS em conjunto

Ba 17.01.17

Finanças.jpg

Os casais que pretendiam entregar a declaração em conjunto, referente ao IRS de 2015, mas não o conseguiram fazer por já ter passado o prazo já podem fazer essa correção. Ou seja, os casais que assim o pretendiam, já podem optar pela tributação conjunta do IRS.

 

O diploma, publicado em Diário da República, permite que tanto os contribuintes casados como os unidos de facto possam optar pela tributação conjunta. Isto quer tenham entregue o IRS dentro ou fora do prazo.

 

Os contribuintes terão 2 anos para fazer a alteração, ou seja, até abril/maio de 2018. A alteração não implica a aplicação de nenhuma coima, desde que seja uma correção a um declaração já entregue. Ou seja, se não for a primeira declaração.

 

Se este foi o seu caso poderá, finalmente, ver a situação resolvida!

Trabalhadores Independentes: Faturas ficam todas pendentes e têm de ser validadas

Ba 13.01.17

Faturas

 

Quem é trabalhador independente ou, mesmo trabalhando por conta de outrem se também acumula com atividade independente e passa recibos verdes, tem de ter muita atenção às faturas. É que estas ficam todas pendentes no portal E-Fatura. Isto significa que se não forem validadas não têm direito ao benefício fiscal.

A Autoridade Tributária enviou recentemente um email a alertar os trabalhadores independentes.  Todas as faturas têm de ser validadas até 15 de Fevereiro.

Como validar?
Para consulta/registo, aceda à sua página e-fatura, área do consumidor, selecionar "Complementar informação faturas" e na coluna "Fora do âmbito da atividade Profissional?", indicar "SIM ou Não" e "Guardar".

Deve selecionar "SIM" se:
- A fatura respeitar a uma despesa efetuada a título pessoal.

Deve selecionar "NÃO" se:
- A fatura corresponder a uma despesa relacionada com a sua atividade profissional.

Esta opção permite selecionar várias faturas simultaneamente e proceder, massivamente, à opção "Guardar".
O cálculo do montante das deduções respeitantes ao IRS do ano de 2016, a apresentar em 2017, depende da correta classificação das faturas.

Não se esqueçam de validar as faturas. Caso contrário perdem e o benefício fiscal associado.

Partilhem esta informação!

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Leia ainda "Atenção: se não for ao E-fatura pode estar a perder benefícios fiscais".


Saiba onde investir o seu dinheiro

Ba 11.01.17

investir
Os depósitos a prazo são um dos produtos preferidos dos portugueses mas, atualmente, estão a oferecer taxas muito baixas. De acordo com os dados que recolhi recentemente para um trabalho, a média da taxa de juro oferecida é de 0,3%. Ora, tendo em conta que a inflação ronda os 0,6% isto significa um ganho real negativo. Ou seja, na prática está a perder-se dinheiro. Então e quais são as alternativas?

Tendo em conta um perfil de risco mais conservador existem algumas possibilidades:

Os melhores depósitos
Eu sei que parece contraditório mas na realidade há alguns depósitos que oferecem taxas um pouco mais altas. Mas poucos pagam mais de 1% líquidos e são em insituições financeiras mais pequenas. Pode consultar a lista dos 10 melhores aqui.

Certificados do TesouroPoupança Mais 
São títulos de dívida pública com taxa fixa garantida. Tem uma taxa de juro bruta de 1,25% no primeiro ano e sobe até atingir os 3,25% no quinto ano. Além disso, podem ainda acrescer prémios em função do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português. O retorno médio ao ano são 1,6%.

Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável
Também são títulos de dívida pública portuguesa que pagam juros semestrais a uma taxa que corresponde à Euribor a seis meses acrescida de um prémio (2,2%, 2,05% e 2%, respetivamente, em cada uma das séries). Mesmo com a Euribor negativa garantem 1,4% líquido, segundo a DECO Proteste. Quem não consegiu subscrever quando estiveram disponíveis agora só pode comprar a preço de mercado.

Plano Poupança Reforma (PPR)
Há sob a forma de seguro ou fundo de investimento.Nos PPR mais conservadores, sob a forma de seguros, o Leve DUO (PPR), da Fidelidade, que rendeu 6% nos últimos três anos, segundo os dados da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF). No caso dos fundos de PPR, e que apresentam maior risco e não garantem capital, o Alves Ribeiro PPR rendeu 18,9% nos últimos cinco anos, e o NB Plano de Poupança Reforma registou uma rentabilidade de 10% nos últimos cinco anos. No entanto, é preciso não esquecer a máxima: rendibilidades passadas não são garantias de ganhos futuros.

Seguros de capitalização
Também nestes produtos não é possível determinar quanto vão pagar no futuro e para quem é avesso ao risco a opção pelos seguros com capital de garantido pode ser a melhor. Dois exemplos: Generali Poupança Mais que rendeu, em médio 4,1% brutos por ano, nos últimos cinco anos. A solução Poupança Zurich que deu 2,8% brutos ao ano nos últimos três anos.  Ainda assim, neste produtos é preciso ter muita atenção às comissões. É que, nalgumas situações, são tão elevadas que anulam os ganhos.

Os investimentos serão apenas um dos muitos temas que serão abordados no Workshop Intensivo de Finanças Pessoais - Como Gerir Melhor o Orçamento. Aproveitem os últimos lugares e condições especiais nesta formação. Mais informação em: "info@moneylab.pt"

- 28 de Janeiro, no Porto
- 11 de Fevereiro, em Lisboa

investir


Workshop Intensivo de Finanças Pessoais

Ba 04.01.17

Screenshot 2017-01-04 11.08.45.png

Quer aprender a poupar, a gerir melhor o seu orçamento, a saber como pode fazer crescer o seu dinheiro e a compreender os paradigmas da independência financeira? Então o “Workshop Intensivo de Finanças Pessoais - Como gerir melhor o orçamento" é a formação que não pode perder. Comece já, no arranque de 2017, a mudar a relação com as suas finanças pessoais.

 

Ao contrário de outros workshops de mais curta duração, esta formação é a mais completa que já dei num só dia. Este workshop é uma versão intensiva na qual terão acesso a conhecimentos que vão da poupança ao investimento. 

 

Vamos aprender como fazer uma avaliação das nossas finanças e um orçamento, mas também a conhecer alguns truques e dicas para poupar, como podemos acabar com as dívidas, aumentar os rendimentos ou mesmo iniciar um plano de poupança (Desafio das 52 Semanas e outros), isto entre muitos outros tópicos. 

 

O workshop irá realizar-se no dia 11 de Fevereiro, sábado, entre as 10h e as 17h, em Lisboa. Para se inscreverem e obterem mais informações basta enviarem um email para "info@moneylab.pt" e saberem se ainda conseguem usufruir da promoção. Os lugares são limitados por isso garanta já a sua participação. Aproveite!

 

Entretanto, as inscrições para o Workshop Intensivo de Finanças Pessoais no Porto ainda estão abertas.

 

Quem já participou resumiu como: "útil", "informação", "luz ao fundo do túnel", "esclarecedor", "transformador", entre outros. E você, também quer mudar a sua vida financeira? Venha daí iniciar o novo ano com uma nova relação com o seu dinheiro! Venha iniciar o caminho da sua independência financeira!

 

Fico à vossa espera.

 

BarbaraBarroso-Especialista em educação financ

Subsídios em duodécimos: sim ou não?

Ba 03.01.17

Duodécimos.jpg

Este ano, os funcionários públicos e pensionistas vão receber 50% do subsídio de Natal em novembro de 2017 e os restantes são pagos em duodécimos ao longo do ano. E, para estes é mesmo assim, não há outra escolha. Já no caso dos trabalhadores do setor privado existe a opção de escolha.

 

Os trabalhadores do privado têm de comunicar até dia 6 de Janeiro de 2017 se pretendem receber metade do subsídio de Natal e de Férias em duodécimos ou se preferem receber por inteiro nas alturas devidas. Caso o trabalhador não diga nada, por defeito, os subsídios serão processados em duodécimos. Quem não quiser terá mesmo de avisar a entidade trabalhadora.

 

Qual a melhor opção?

 

Não existem respostas corretas, tudo vai depender do orçamento de cada pessoa:

 

- Em termos fiscais é completamente indiferente caso opte pelos duodécimos ou não. Aqui trata-se de uma opção meramente financeira para o orçamento de cada família.

 

- Por um lado ao receber os subsídios em duodécimos está a receber um adiantamento dos mesmos e, se preferir, poderá colocar esse dinheiro de parte e até pôr a render;

 

- Por outro, ao receber metade dos subsídios por mês poderá ter a tentação de ajustar as despesas aos rendimentos e depois, na altura de pagamento dos subsídios, fazer-lhe diferença os restantes 50% que foram pagos ao longo do ano. Ainda assim, para algumas famílias estes acréscimo mensal pode fazer diferença.

 

Seja qual for a escolha o importante é que a comunique dentro do prazo.

Fica a dica!

Partilhem!

 

 Leia também: Como definir os objetivos de poupança para 2017.

 

 Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

10 Dicas para comprar nos Saldos

Ba 29.12.16

saldos_2.jpeg

Apesar de já não haver uma data legal para os saldos, a verdade é que os grandes ratalhistas têm mantido mais ou menos as mesmas datas que antigamente. E porque os saldos já arrancaram aproveitei para recuperar um texto que já tinha escrito aqui com 10 dicas para aproveitarem melhor os saldos:

 

1) Faça uma lista – Para que consiga ser eficaz nas compras, o ideal é fazer primeiro um levantamento do que quer comprar. Fazer uma lista irá ajudá-lo a saber o que lhe faz mais falta ou necessita substituir.

 

2) Estipule um orçamento – Haver produtos a metade do preço pode ser uma boa oportunidade. No entanto, caso não haja um limite pré-definido muito facilmente poderá descontrolar o seu orçamento.

 

3) Compare preços – Se procura um artigo específico vale a pena comparar o mesmo produto em várias lojas. Mesmo em período de saldos consegue-se encontrar grandes diferenças de preços.

 

4) Online – Além das lojas físicas muitas lojas online também fazem as mesma promoções. Aliás, algumas até fazem saldos mais apelativos. É uma boa forma também de evitar as confusões das loja.

 

5) Vá às compras com roupa confortável – Se pretende aproveitar os saldos na roupa, e vai ter de experimentar várias peças, opte por levar uma roupa prática e confortável para ser mais simples.

 

6) Invista em básicos – Para quem aproveita esta altura para renovar algumas peças do guarda-roupa a aposta em básicos é sempre uma boa opção. Ao contrário de outras peças mais da moda, e que hoje estão na berra mas que depois não vai voltar a usar, as peças mais básicas tendem a ser aquelas que mais utilizam e, por isso, esta é uma boa altura para reforçar com preços mais reduzidos.

 

7) Inspecione os artigos – Na altura de saldos muitas lojas ficam sempre um pouco mais confusas e há peças, quer de roupa ou mesmo outros artigos que podem não estar em perfeito estado, de modo a assegurar que não trará um produto com defeito.

 

8) Roupa de criança – Para quem tem crianças esta é uma boa oportunidade para investir em roupa e sapatos. Opte por tamanhos maiores ou compre peças para agora e para daqui a um ano. Eu costumo fazer isso e, até hoje, nunca comprei nenhuns sapatos para os meus filhos fora de saldos, o que permite investir num calçado melhor.

 

9) Trocas de devoluções – Por lei as lojas não são obrigadas a fazer trocas ou devoluções, a não ser que o produto tenha um defeito e isso não tenha sido mencionado no acto da compra. Muitas lojas dão essa possibilidade por uma questão de cortesia. Informe-se antes de fazer a compra e o modelo de troca/devolução.

 

10) Na dúvida pense – Se está com dúvidas se deve ou comprar um determinado artigo, sai da loja. Se possível pode pedir para guardar o artigo uma hora e dê uma volta para o ajudar a refletir. Volte a olhar para o seu orçamento, lista e quanto gastou e avalie se vale a pena.

 

 Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Como definir os objetivos de poupança para 2017

Ba 28.12.16

todo.jpg

Quer poupar para quê? Esta deve ser uma das primeiras questões que deve conseguir responder objetivamente quando inicia um plano de poupança. As boas práticas das finanças pessoais recomendam que se tenha um fundo de emergência. Mas é só para isso que quer poupar? Se eu quiser ir de férias, não conta? Claro que conta. Por isso é importante que defina diferentes tipos de objetivos e faça as suas próprias “cestas” de poupança.

 

A Agenda da Poupança pode ajudá-lo a definir estes e outros objetivos. Em todo o caso, deixo-lhe cinco dicas para o ajudarem a definir os seus objetivos de poupança:

 

1) Deve definir qual o montante que pretende poupar todos os meses ou mesmo quando recebe um dinheiro extra.

 

2) Definir as várias cestas de poupança. Pode ter uma conta para o tal fundo de emergência, ou seja, para prevenir imprevistos. Depois pode ter uma cesta de poupança de mais longo prazo, por exemplo, dedicada à reforma e pode ainda ter uma cesta dedicada a  uma viagem, algo que lhe dê satisfação e que também funcione como um incentivo.

 

3) Definir quanto do dinheiro que conseguiu poupar irá canalizar para cada uma das cestas. Pode dividir em partes iguais, ou destinar um mês a cada uma das ditas cestas. E podem existir tantos objetivos quanto quiser.

 

4) É importante definir, em função do seu perfil de risco e horizonte temporal do objetivo em que produtos financeiros irá aplicar o sue dinheiro. Por exemplo, o fundo de emergência poderá estar numa conta à ordem ou depósito a prazo. O dinheiro para a reforma pode estar investido num produto de mais longo prazo, e assim sucessivamente.

 

5) Por fim, encontrar qual o método de poupança mais indicado para cada objetivo. Por exemplo, vou aproveitar o Desafio das 52 Semanas para fazer uma poupança para uma viagem. E com uma poupança fixa mensal vou reforçar o meu fundo de emergência. Para a cesta da reforma vai um montante fixo e mais baixo. E isto dá para fazer com vários montantes tanto posso dividir 150 euros por três cestas, de forma igual, como 30 euros. 

 

O planeamento financeiro é determinante para uma boa gestão das finanças pessoais. Ninguém diz que é fácil mas o importante é tentar. Se não conseguiu este ano que tal tentar para o próximo?

 

Vamos aproveitar aquela força que todos temos das resoluções para iniciar 2017 com as finanças em dia. Quem quiser pode aproveitar também para participar no Workshop Intensivo de Finanças Pessoais que vai acontecer a 28 de Janeiro, no Porto. Vão ser dadas várias ferramentas e dicas para que os participantes possam mudar a sua maneira de olhar para as finanças pessoais e começar a ver o dinheiro a crescer.

 

Fica a dica!

Boas Poupanças!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

5 Cuidados a ter na troca de presentes a seguir ao Natal

Ba 26.12.16

presents.jpg

Nos dias que seguem ao Natal é normal as lojas voltarem a encher-se de pessoas. Desta vez não para novas compras mas sim para trocas e/ou devoluções de presentes, seja porque já se tinha, não serve ou simplesmente porque não se gosto e prefere outro produto. 

 

Não há nenhuma lei que obrigue as lojas a aceitarem trocas e devoluções nestas situações, assim sendo acaba por ficar um pouco ao critério de cada loja. Mas para que não sejam apanhados de surpresa ficam aqui alguns cuidados a ter antes de trocar os presentes de Natal:

 

1) Guarde o talão de troca. Se lhe ofereceram um presente e deram talão de troca guarde-o porque somente irá conseguir trocar ou devolver o artigo na apresentação desse talão. Se não tem talão então não vai conseguir trocar o artigo.

 

2) Atenção à data. Normalmente o comércio, nesta altura, dá por volta de 30 dias para se proceder a trocas, no entanto isso não é uma regra e pode haver diferentes prazos. Assim sendo, verifique qual a data que tem para troca e tenha atenção à data de emissão do talão porque é a partir daí que contam os dias. Se ainda tem dúvidas coloque um alerta no telemóvel para dois dias antes de terminar o prazo limite.

 

3) Sem devolução de dinheiro. A maioria das lojas não devolve o montante do produto. Por isso, se está a contar em trocar determinando produto pelo valor do mesmo não conte muito com isso. Mas na dúvida não custa perguntar na loja.

 

4) Produto por produto até ao montante do oferecido. Muitas lojas só permitem trocar um determinado artigo por outro de igual valor ou inferior. Por isso, se for essa a política da loja verifique bem qual o produto que pretende e se fica enquadrado nestes critérios.

 

5) Valor em cartão ou talão. Atenção a esta data! Há cada vez mais lojas que permitem que os clientes devolvam os produtos e depois dão-lhes esse valor correspondente ao mesmo num cartão ou talão em que a pessoa pode gastar durante um determinado período. Para quem não quer fazer compras sob pressão esta pode ser uma troca mais vantajosa. Nas lojas que fazem isto eu aproveito para depois ir nos saldos - já que os produtos custam menos - e trazer mais produtos pelo mesmo valor. Também nestas situações convém ter atenção ao prazo. Há quem dê uns meses ou até um ano como validade.

 

Ficam as dicas!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

 

Desafio das 52 semanas: Poupe mais de 1.300 euros

Ba 21.12.16

Imagem_Desafio_52_Semanas (1)

O final do ano está a aproximar-se e 2017 pode ser a altura ideal para começar o Desafio das 52 Semanas de que vos falei aqui no blog, logo no início deste ano e que se tornou viral por todo o país, inclusivamente fui convidada para ir a muitos locais: televisão, jornais, rádios, etc, para explicar este e outros métodos.

 

Com este desafio pode conseguir poupar mais de 1.300 euros num ano. E há várias formas para o conseguir fazer

 

Entretanto aproveito a oportunidade para vos dizer: JÁ ESTÁ DISPONÍVEL O CALENDÁRIO DE 2017. Por isso, quem quiser saber mais detalhes sobre este desafio e fazer o download do calendário basta clicar aqui.

 

IMG_8433.PNG

A explicar o Desafio das 52 Semanas, no programa Contas Poupança, no Jornal da Noite, na SIC. Ajustem ao vosso caso e comecem 2017 a poupar!

 

Boas Festas e Boas Poupanças!