Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Atenção: Último dia para validar as faturas no E-Fatura!

Ba 15.02.17

Screenshot 2017-02-08 12.51.00.png

É hoje, dia 15 de Fevereiro, o último dia para validação das faturas no Portal E-Fatura. Não se esqueçam. Podem estar a perder muito dinheiro se não o fizerem. Podem encontrar informação sobre este assunto num texto que escrevi aqui e aqui.

 

Leiam ainda "IRS: Porque razão não aparecem as despesas de saúde, propinas, crédito à habitação ou seguros no E-Fatura?"

 

Partilhem!

 

IRS: Porque razão não aparecem as despesas de saúde, propinas, crédito à habitação ou seguros no E-Fatura?

Ba 08.02.17

Screenshot 2017-02-08 12.51.41.png

Tenho vos alertado aqui, desde o final do ano passado, da necessidade de irem ao portal E-Fatura, validarem as vossas faturas que estão pendentes. Caso contrário podem estar a perder o benefício fiscal associado. E isso pode ser a diferença entre pagar e receber reembolso de IRS.

 

A validação das faturas no portal E-Fatura tem de ser feita até 15 de Fevereiro! Não se esqueçam! 

 

Muitas das pessoas que já foram ao E-Fatura têm me questionado porque razão não estão aparecer as despesas do centro de saúde, do seguro, do crédito à habitação ou mesmo das propinas da faculdade. A razão é apenas uma: no E-Fatura estão todas as faturas que foram emitidos por estabelecimentos que já comunicaram ao Fisco os números de contribuinte (NIF). Organismo públicos, senhorios apenas o fazem em janeiro, e por isso é que ainda não estão visíveis.

 

Todas as outras despesas vão aparecer depois, em Março, numa outra área do portal das Finanças.Será aí  que os contribuintes vão ter uma visão global de todas as despesas que entram no IRS. Já que irão aparecer não só as faturas que foram validadas no E-fatura, como todas as outras que não aparecem, como por exemplo: as propinas, taxas moderadoras, recibos da rendas, seguros de saúde, valores dos juros do crédito à habitação, etc.

 

Este área estará disponível mais tarde e o acesso será feito com a mesma senha das Finanças. E embora os contribuintes não possam alterar nada aqui, podem verificar todas as despesas e, caso não concordem com algum montante ou despesa, podem reclamar junto da Autoridade Tributária e Aduaneira. Desta forma, os contribuintes conseguem ver todas as despesas que irão depois aparecer na declaração de IRS, que já virá pré-preenchida.

 

Portanto, se alguma destas despesas não aparece no E-Fatura não se preocupem. Estas só devem aparecer mais tarde. Para já, o importante é validarem todas as faturas até 15 de Fevereiro.

 

Partilhem esta informação para que ninguém perca dinheiro!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Trabalhadores Independentes: Faturas ficam todas pendentes e têm de ser validadas

Ba 13.01.17

Faturas

 

Quem é trabalhador independente ou, mesmo trabalhando por conta de outrem se também acumula com atividade independente e passa recibos verdes, tem de ter muita atenção às faturas. É que estas ficam todas pendentes no portal E-Fatura. Isto significa que se não forem validadas não têm direito ao benefício fiscal.

A Autoridade Tributária enviou recentemente um email a alertar os trabalhadores independentes.  Todas as faturas têm de ser validadas até 15 de Fevereiro.

Como validar?
Para consulta/registo, aceda à sua página e-fatura, área do consumidor, selecionar "Complementar informação faturas" e na coluna "Fora do âmbito da atividade Profissional?", indicar "SIM ou Não" e "Guardar".

Deve selecionar "SIM" se:
- A fatura respeitar a uma despesa efetuada a título pessoal.

Deve selecionar "NÃO" se:
- A fatura corresponder a uma despesa relacionada com a sua atividade profissional.

Esta opção permite selecionar várias faturas simultaneamente e proceder, massivamente, à opção "Guardar".
O cálculo do montante das deduções respeitantes ao IRS do ano de 2016, a apresentar em 2017, depende da correta classificação das faturas.

Não se esqueçam de validar as faturas. Caso contrário perdem e o benefício fiscal associado.

Partilhem esta informação!

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Leia ainda "Atenção: se não for ao E-fatura pode estar a perder benefícios fiscais".


Saiba onde investir o seu dinheiro

Ba 11.01.17

investir
Os depósitos a prazo são um dos produtos preferidos dos portugueses mas, atualmente, estão a oferecer taxas muito baixas. De acordo com os dados que recolhi recentemente para um trabalho, a média da taxa de juro oferecida é de 0,3%. Ora, tendo em conta que a inflação ronda os 0,6% isto significa um ganho real negativo. Ou seja, na prática está a perder-se dinheiro. Então e quais são as alternativas?

Tendo em conta um perfil de risco mais conservador existem algumas possibilidades:

Os melhores depósitos
Eu sei que parece contraditório mas na realidade há alguns depósitos que oferecem taxas um pouco mais altas. Mas poucos pagam mais de 1% líquidos e são em insituições financeiras mais pequenas. Pode consultar a lista dos 10 melhores aqui.

Certificados do TesouroPoupança Mais 
São títulos de dívida pública com taxa fixa garantida. Tem uma taxa de juro bruta de 1,25% no primeiro ano e sobe até atingir os 3,25% no quinto ano. Além disso, podem ainda acrescer prémios em função do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português. O retorno médio ao ano são 1,6%.

Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável
Também são títulos de dívida pública portuguesa que pagam juros semestrais a uma taxa que corresponde à Euribor a seis meses acrescida de um prémio (2,2%, 2,05% e 2%, respetivamente, em cada uma das séries). Mesmo com a Euribor negativa garantem 1,4% líquido, segundo a DECO Proteste. Quem não consegiu subscrever quando estiveram disponíveis agora só pode comprar a preço de mercado.

Plano Poupança Reforma (PPR)
Há sob a forma de seguro ou fundo de investimento.Nos PPR mais conservadores, sob a forma de seguros, o Leve DUO (PPR), da Fidelidade, que rendeu 6% nos últimos três anos, segundo os dados da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF). No caso dos fundos de PPR, e que apresentam maior risco e não garantem capital, o Alves Ribeiro PPR rendeu 18,9% nos últimos cinco anos, e o NB Plano de Poupança Reforma registou uma rentabilidade de 10% nos últimos cinco anos. No entanto, é preciso não esquecer a máxima: rendibilidades passadas não são garantias de ganhos futuros.

Seguros de capitalização
Também nestes produtos não é possível determinar quanto vão pagar no futuro e para quem é avesso ao risco a opção pelos seguros com capital de garantido pode ser a melhor. Dois exemplos: Generali Poupança Mais que rendeu, em médio 4,1% brutos por ano, nos últimos cinco anos. A solução Poupança Zurich que deu 2,8% brutos ao ano nos últimos três anos.  Ainda assim, neste produtos é preciso ter muita atenção às comissões. É que, nalgumas situações, são tão elevadas que anulam os ganhos.

Os investimentos serão apenas um dos muitos temas que serão abordados no Workshop Intensivo de Finanças Pessoais - Como Gerir Melhor o Orçamento. Aproveitem os últimos lugares e condições especiais nesta formação. Mais informação em: "info@moneylab.pt"

- 28 de Janeiro, no Porto
- 11 de Fevereiro, em Lisboa

investir