Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Dica para pouparem mais de 80% nos manuais escolares

Ba 27.06.17

manuais escolares.jpg

O fim do ano letivo significa o termino de mais um ciclo na vida de muitas crianças e jovens. Para os professores e escolas significa começar a preparação do próximo ano que arranca em setembro, e que marca o regresso às aulas dos mais novos. Habitualmente é um mês de muitas despesas para as famílias. No entanto, essas despesas podem ser reduzidas se forem planeadas com tempo e também se encontrarem algumas alternativas. Um exemplo disso é a empresa que vos apresento hoje: a Book in Loop.

 

Trata-se de uma plataforma online de reutilização de livros e maunuais escolares, que permite aos consumidores pouparem na compra dos livros e ainda poderem ganhar com a venda dos usados.

 

Quem compra manuais usados pode poupar até 60% do Preço de Venda ao Público (PVP). Se vender is usados, pode receber até 20% do preço original do livro. Ou seja, ao fazer o ‘loop’ completo de compra e venda, pode poupar até 80% nos manuais escolares.

 

Por exemplo: Uma família que gaste 215 euros por ano pode poupar 129 euros ao comprar os livros na plataforma podendo, ainda, reaver 20 por cento do que gastou nos manuais do ano anterior se decidir entregá-los. Um valor na ordem dos 40 euros. Isto significa que, ao fazer o ’loop’ completo de compra e venda, uma família poderá poupar até 80 por cento nos manuais escolares. Neste caso cerca de 170 euros.

 

Para se inscrever e participar neste movimento de "economia de partilha"  basta entrar no site ou fazer o download da aplicação e inscrever-se. Convém ainda ter atenção às datas e critérios tanto para venda como para compra. Consultem aqui.

 

Na Book in Loop, todos os manuais escolares passam por um processo de identificação e controlo de qualidade certificado pela Universidade de Aveiro. Este garante que o estado de conservação dos manuais não causa quaisquer prejuízos na aprendizagem dos novos utilizadores e que são os adotados na respetiva escola.

 

Para quem queira poupar esta é uma boa oportunidade.

 

Fica a dica!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Poupança à vista: fim do roaming na União Europeia!

Ba 14.06.17

roaming_.jpg

A partir de 15 de Junho fazer chamadas ou aceder à intenet através do telemóvel vai ficar mais barato para quem viaja dentro da União Europeia. É a entrada em vigor de uma nova lei que põe fim ao roaming entre os 28 países da União Europeia. Isto significa que, a partir de agora, enviar mensagens, fazer chamadas ou navegar na Internet quando visitam um Estado-Membro da UE vai custar exatamente o mesmo preço que pagaria se estivesse no seu país de origem. Uma poupança enorme para quem costuma viajar para estes países. 

 

Quais os países que fazem parte?

Aplica-se aos 28 países que ifazem parte da União Europeia: Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Portugal, Roménia, Eslovénia, Eslováquia, Espanha, Suécia e Reino Unido (a continuação do Reino Unido irá depender do 'Brexit'). Numa fase posterior, está prevista ainda a adesão da Islândia, Liechtenstein e a Noruega.

 

Os utilizadores não têm de fazer nada para beneficiarem desta situação, caso viajem para qualquer um destes países. Em todo o caso, e para evitar alguns excessos, nos casos em que as comunicações através de roaming sejam superiores às domésticas, por um período de quatro meses, o operador notifica o cliente. Depois estes terá 14 dias para esclarecer a situação, caso contrário é-lhe cobrada uma sobretaxa de utilização do serviço roaming. Qualquer dúvida deverá contactar diretamente o operador.

 

Esta é, de facto, uma medida que vem beneficiar bastante os consumidores que viajam pela União Europeia. Partilhem a informação.

 

Fica a dica!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

10 cuidados a ter na entrega do IRS

Ba 29.05.17

Finanças.jpg

Está quase a terminar o prazo para a entrega da declaração de IRS referente ao ano de 2016. Para que corra tudo bem, deixo-vos aqui 10 dicas, ou melhor, 10 alertas que devem ter atenção para que consigam entregar o IRS sem erros.

 

1) Atenção ao prazo. O último dia é 31 de Maio mas o ideal é não deixarem para a última hora. Este ano por ser um prazo único poderá haver mais pessoas a entregarem e, por essa razão, o sistema pode ficar mais lento. Além disso, se encontrar algum erro poderá já não ter tempo de corrigir. Basta uns minutos mais tarde, ou seja, a entrega já só ser submetida a 1 de junho e já terá de pagar coima. As coimas para entregas fora do prazo até 30 dias são de 25 euros. Já se passar o mês de atraso o valor pode ir de 37,5 euros a 112,5 euros, dependendo se o Estado é lesado pelo atraso ou não. Em caso de omissões ou inexatidões, a multa vai dos 375 euros aos 22.500 euros. Mas saiba que dentro do prazo pode sempre entregar uma declaração de substituição, caso verifique que houve algum erro que não tinha detetado e que só se apercebeu agora.

 

2) Fazer download do programa. A entrega pode ser feita online ou então pode fazer download do programa para o seu computador, introduzir todos os dados e só se liga à internet para submeter. Esta pode ser uma solução mais fácil porque fica menos sujeito ao facto de o sistema estar lento.

 

3) Simular entrega conjunta e separado. Tanto os casais em união de facto como os casados têm a possibilidade de entregar o IRS em conjunto ou separado. Ao contrário do ano passado, em que quem entregasse fora do prazo já não podia optar pela entrega conjunta (mesmo que fosse mais favorável), este ano podem optar, mesmo que entreguem depois da data-limite (claro que o ideal é fazerem-no dentro do prazo) podem escolher se preferem em conjunto ou separado. O ideal é simularem sempre as duas opções para ver qual é a mais vantajosa.

 

4) Anexo H. Todas as despesas que foram validadas no portal E-Fatura serão essas que irão ser utilizadas pelo Fisco para cálculo dos benefícios fiscais de forma automátivca. É por essa razão que, em muitos casos, quer "puxe" o Anexo H ou não a simulação dá o mesmo valor. Caso não concorde com alguma despesa ou verifique que falta, e pretenda fazer alguma alteração, aí terá de introduzir não só esse valor no Anexo H como todos os benefícios fiscais manualmente.

 

5) Atenção ao IRS automático. Esta é uma das grandes novidades deste ano e que irá abranger sobretudo pensionistas (Categoria H) e trabalhadores por conta de outrem (Categoria A) com declarações simples, ou seja, apenas rendimento e despesas validadas no portal E-fatura e sem mais rendimentos. E como funciona? Os contribuintes que beneficiem da declaração automática podem aceder ao portal das Finanças colocar a sua senha e verificar a sugestão de entrega automática. Se concordarem com os valores carregam aceitar. Se não concordarem podem sempre corrigir os valores e entregar normalmente. Caso não aceitem, ou não façam nada, a declaração será entregue automaticamente como está no último dia do prazo. No entanto, verifiquem se estão as despesas todas, incluindo as rendas. Podem verificar o que aconteceu neste caso que relatei (clicar aqui).

 

6) NIB/IBAN. Verifiquem se o NIB/IBAN da vossa conta está correto, de forma a garantir que o reembolso será feito para a conta certa.

 

7) Atenção ao Anexo SS. Os contribuintes com rendimentos de trabalho independente (categoria B) têm de submeter o Anexo SS. Também os trabalhadores que acumulam rendimentos de trabalho dependente com independente têm de preencher este anexo. Basta terem atividade aberta (mesmo que não tenham tido qualquer rendimento) para terem de entregar também este anexo.

 

8) Dispensa de entrega de IRS. odas as pessoas que tenham recebido até 8.500 euros em rendimentos de trabalho dependente (categoria A) ou pensões (categoria H), sem que tenha sido feita retenção na fonte, estão dispensadas de entregar a declaração de IRS de 2016.

 

9) IRS dos filhos com os pais. Todos os dependentes até 25 anos ou que aufiram rendimentos inferiores a 8.500 euros poderão entrar no IRS do pais. Basta que tenham idade ou rendimento superiores aos indicados e já terão de fazer a entrega de IRS sozinhos.

 

10) Quem não tem internet ou precisa de ajuda. Para quem não tem acesso à internet e, por exemplo, não tenha possibilidade de verificar se no seu caso será aplicado, por exemplo, a entrega automática de IRS, pode recorrer aos Espaços do Cidadão. Segundo as Finanças, os contribuintes podem solicitar aqui os esclarecimentos e ajudas para preenchimento da declaração de IRS.

 

Ficam as dicas! Partilhem!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Já entregaram o IRS? Não deixem para o último dia!

Ba 28.05.17

IRS_1.jpg

O prazo para a entrega da declaração de IRS referente ao ano de 2016 está quase a terminar. O último dia é a 31 de Maio. Mas se querem um conselho: Não deixem para o último dia! O sistema pode ficar lento porque haver muitas pessoas, se detetar um erro pode já não ter tempo para corrigir. Basta passar para dia 1 de Junho e já estará a entregar fora do prazo, ou seja, fica sujeito a uma coima.

 

Esta segunda-feira, dia 29 de Maio, vou estar em direto na Rádio Renascença, a partir das 9h30, a explicar tudo o que precisa saber para entregar a declaração sem erros. Entretanto podem ver quais as mudanças no vídeo que fiz aqui, e também ler o que já tinha escrito sobre este tema aqui.

 

Fica a dica!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

 

Atenção: Último dia para validar as faturas no E-Fatura!

Ba 15.02.17

Screenshot 2017-02-08 12.51.00.png

É hoje, dia 15 de Fevereiro, o último dia para validação das faturas no Portal E-Fatura. Não se esqueçam. Podem estar a perder muito dinheiro se não o fizerem. Podem encontrar informação sobre este assunto num texto que escrevi aqui e aqui.

 

Leiam ainda "IRS: Porque razão não aparecem as despesas de saúde, propinas, crédito à habitação ou seguros no E-Fatura?"

 

Partilhem!

 

IRS: Porque razão não aparecem as despesas de saúde, propinas, crédito à habitação ou seguros no E-Fatura?

Ba 08.02.17

Screenshot 2017-02-08 12.51.41.png

Tenho vos alertado aqui, desde o final do ano passado, da necessidade de irem ao portal E-Fatura, validarem as vossas faturas que estão pendentes. Caso contrário podem estar a perder o benefício fiscal associado. E isso pode ser a diferença entre pagar e receber reembolso de IRS.

 

A validação das faturas no portal E-Fatura tem de ser feita até 15 de Fevereiro! Não se esqueçam! 

 

Muitas das pessoas que já foram ao E-Fatura têm me questionado porque razão não estão aparecer as despesas do centro de saúde, do seguro, do crédito à habitação ou mesmo das propinas da faculdade. A razão é apenas uma: no E-Fatura estão todas as faturas que foram emitidos por estabelecimentos que já comunicaram ao Fisco os números de contribuinte (NIF). Organismo públicos, senhorios apenas o fazem em janeiro, e por isso é que ainda não estão visíveis.

 

Todas as outras despesas vão aparecer depois, em Março, numa outra área do portal das Finanças.Será aí  que os contribuintes vão ter uma visão global de todas as despesas que entram no IRS. Já que irão aparecer não só as faturas que foram validadas no E-fatura, como todas as outras que não aparecem, como por exemplo: as propinas, taxas moderadoras, recibos da rendas, seguros de saúde, valores dos juros do crédito à habitação, etc.

 

Este área estará disponível mais tarde e o acesso será feito com a mesma senha das Finanças. E embora os contribuintes não possam alterar nada aqui, podem verificar todas as despesas e, caso não concordem com algum montante ou despesa, podem reclamar junto da Autoridade Tributária e Aduaneira. Desta forma, os contribuintes conseguem ver todas as despesas que irão depois aparecer na declaração de IRS, que já virá pré-preenchida.

 

Portanto, se alguma destas despesas não aparece no E-Fatura não se preocupem. Estas só devem aparecer mais tarde. Para já, o importante é validarem todas as faturas até 15 de Fevereiro.

 

Partilhem esta informação para que ninguém perca dinheiro!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Trabalhadores Independentes: Faturas ficam todas pendentes e têm de ser validadas

Ba 13.01.17

Faturas

 

Quem é trabalhador independente ou, mesmo trabalhando por conta de outrem se também acumula com atividade independente e passa recibos verdes, tem de ter muita atenção às faturas. É que estas ficam todas pendentes no portal E-Fatura. Isto significa que se não forem validadas não têm direito ao benefício fiscal.

A Autoridade Tributária enviou recentemente um email a alertar os trabalhadores independentes.  Todas as faturas têm de ser validadas até 15 de Fevereiro.

Como validar?
Para consulta/registo, aceda à sua página e-fatura, área do consumidor, selecionar "Complementar informação faturas" e na coluna "Fora do âmbito da atividade Profissional?", indicar "SIM ou Não" e "Guardar".

Deve selecionar "SIM" se:
- A fatura respeitar a uma despesa efetuada a título pessoal.

Deve selecionar "NÃO" se:
- A fatura corresponder a uma despesa relacionada com a sua atividade profissional.

Esta opção permite selecionar várias faturas simultaneamente e proceder, massivamente, à opção "Guardar".
O cálculo do montante das deduções respeitantes ao IRS do ano de 2016, a apresentar em 2017, depende da correta classificação das faturas.

Não se esqueçam de validar as faturas. Caso contrário perdem e o benefício fiscal associado.

Partilhem esta informação!

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Leia ainda "Atenção: se não for ao E-fatura pode estar a perder benefícios fiscais".


Saiba onde investir o seu dinheiro

Ba 11.01.17

investir
Os depósitos a prazo são um dos produtos preferidos dos portugueses mas, atualmente, estão a oferecer taxas muito baixas. De acordo com os dados que recolhi recentemente para um trabalho, a média da taxa de juro oferecida é de 0,3%. Ora, tendo em conta que a inflação ronda os 0,6% isto significa um ganho real negativo. Ou seja, na prática está a perder-se dinheiro. Então e quais são as alternativas?

Tendo em conta um perfil de risco mais conservador existem algumas possibilidades:

Os melhores depósitos
Eu sei que parece contraditório mas na realidade há alguns depósitos que oferecem taxas um pouco mais altas. Mas poucos pagam mais de 1% líquidos e são em insituições financeiras mais pequenas. Pode consultar a lista dos 10 melhores aqui.

Certificados do TesouroPoupança Mais 
São títulos de dívida pública com taxa fixa garantida. Tem uma taxa de juro bruta de 1,25% no primeiro ano e sobe até atingir os 3,25% no quinto ano. Além disso, podem ainda acrescer prémios em função do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português. O retorno médio ao ano são 1,6%.

Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável
Também são títulos de dívida pública portuguesa que pagam juros semestrais a uma taxa que corresponde à Euribor a seis meses acrescida de um prémio (2,2%, 2,05% e 2%, respetivamente, em cada uma das séries). Mesmo com a Euribor negativa garantem 1,4% líquido, segundo a DECO Proteste. Quem não consegiu subscrever quando estiveram disponíveis agora só pode comprar a preço de mercado.

Plano Poupança Reforma (PPR)
Há sob a forma de seguro ou fundo de investimento.Nos PPR mais conservadores, sob a forma de seguros, o Leve DUO (PPR), da Fidelidade, que rendeu 6% nos últimos três anos, segundo os dados da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF). No caso dos fundos de PPR, e que apresentam maior risco e não garantem capital, o Alves Ribeiro PPR rendeu 18,9% nos últimos cinco anos, e o NB Plano de Poupança Reforma registou uma rentabilidade de 10% nos últimos cinco anos. No entanto, é preciso não esquecer a máxima: rendibilidades passadas não são garantias de ganhos futuros.

Seguros de capitalização
Também nestes produtos não é possível determinar quanto vão pagar no futuro e para quem é avesso ao risco a opção pelos seguros com capital de garantido pode ser a melhor. Dois exemplos: Generali Poupança Mais que rendeu, em médio 4,1% brutos por ano, nos últimos cinco anos. A solução Poupança Zurich que deu 2,8% brutos ao ano nos últimos três anos.  Ainda assim, neste produtos é preciso ter muita atenção às comissões. É que, nalgumas situações, são tão elevadas que anulam os ganhos.

Os investimentos serão apenas um dos muitos temas que serão abordados no Workshop Intensivo de Finanças Pessoais - Como Gerir Melhor o Orçamento. Aproveitem os últimos lugares e condições especiais nesta formação. Mais informação em: "info@moneylab.pt"

- 28 de Janeiro, no Porto
- 11 de Fevereiro, em Lisboa

investir