Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Atenção: Último dia para validar as faturas no E-Fatura!

Ba 15.02.17

Screenshot 2017-02-08 12.51.00.png

É hoje, dia 15 de Fevereiro, o último dia para validação das faturas no Portal E-Fatura. Não se esqueçam. Podem estar a perder muito dinheiro se não o fizerem. Podem encontrar informação sobre este assunto num texto que escrevi aqui e aqui.

 

Leiam ainda "IRS: Porque razão não aparecem as despesas de saúde, propinas, crédito à habitação ou seguros no E-Fatura?"

 

Partilhem!

 

IRS: Porque razão não aparecem as despesas de saúde, propinas, crédito à habitação ou seguros no E-Fatura?

Ba 08.02.17

Screenshot 2017-02-08 12.51.41.png

Tenho vos alertado aqui, desde o final do ano passado, da necessidade de irem ao portal E-Fatura, validarem as vossas faturas que estão pendentes. Caso contrário podem estar a perder o benefício fiscal associado. E isso pode ser a diferença entre pagar e receber reembolso de IRS.

 

A validação das faturas no portal E-Fatura tem de ser feita até 15 de Fevereiro! Não se esqueçam! 

 

Muitas das pessoas que já foram ao E-Fatura têm me questionado porque razão não estão aparecer as despesas do centro de saúde, do seguro, do crédito à habitação ou mesmo das propinas da faculdade. A razão é apenas uma: no E-Fatura estão todas as faturas que foram emitidos por estabelecimentos que já comunicaram ao Fisco os números de contribuinte (NIF). Organismo públicos, senhorios apenas o fazem em janeiro, e por isso é que ainda não estão visíveis.

 

Todas as outras despesas vão aparecer depois, em Março, numa outra área do portal das Finanças.Será aí  que os contribuintes vão ter uma visão global de todas as despesas que entram no IRS. Já que irão aparecer não só as faturas que foram validadas no E-fatura, como todas as outras que não aparecem, como por exemplo: as propinas, taxas moderadoras, recibos da rendas, seguros de saúde, valores dos juros do crédito à habitação, etc.

 

Este área estará disponível mais tarde e o acesso será feito com a mesma senha das Finanças. E embora os contribuintes não possam alterar nada aqui, podem verificar todas as despesas e, caso não concordem com algum montante ou despesa, podem reclamar junto da Autoridade Tributária e Aduaneira. Desta forma, os contribuintes conseguem ver todas as despesas que irão depois aparecer na declaração de IRS, que já virá pré-preenchida.

 

Portanto, se alguma destas despesas não aparece no E-Fatura não se preocupem. Estas só devem aparecer mais tarde. Para já, o importante é validarem todas as faturas até 15 de Fevereiro.

 

Partilhem esta informação para que ninguém perca dinheiro!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Atenção: Se não for ao E-Fatura pode estar a perder benefícios fiscais!

Ba 13.12.16

 

 

Screenshot 2016-03-28 23.34.31.png

O ano de 2016 está quase a terminar, assim como a possibilidade de usufruir de alguns benefícios fiscais e assim pagar menos impostos. Mas para isso terá de verificar se as suas faturas deste ano estão validadas ou pendentes. Caso contrário corre o risco de perder os benefícios fiscais e, quando for entregar o IRS, acabar por receber menos ou até mesmo ter de pagar IRS.

 

Tenha atenção porque o prazo termina a 15 de Fevereiro de 2017! No entanto, o ideal é não deixar tudo para a última hora.

 

Screenshot 2016-12-10 23.01.10.png

Para melhor compreensão, ficam aqui sintetizados alguns tópicos:

 

1) Só as faturas com número de contribuinte (NIF) são consideradas válidas pela Autoridade Tributária. Ou seja, se no ano passado pediu faturas mas não colocou o NIF então estas não serão válidas

 

2) Para consultar o estado das faturas tem de ir ao portal das Finanças e seguir os passos: E-Fatura > Faturas >  Consumidor > Colocar o NIF e senha de acesso. As faturas pendentes aparecem numa lista e deverá validar

 

3) Todos os contribuintes que tenham atividade independente (recibos verdes) têm de ir validar as faturas pendentes, e indicar se a despesa foi feita no âmbito pessoal ou profissional.

 

4) Algumas empresas têm mais do que um código de classificação de atividades económicas (Código CAE) e, por isso, a as Autoridade Tributária necessita de informação adicional para saber como classifica a fatura emitida, e em que categoria se insere. Estas faturas ficam assim pendentes e têm de ser validadas pelo contribuinte

 

5) Se detetou que alguma das faturas não foi introduzida pela empresa onde fez a compra pode introduzi-la à mão. Faturas > Registar Faturas.

 

6) Os contribuintes apenas têm de guardar as faturas que foram introduzidas por si, para ficarem como meio de prova. Para as faturas que já estão registadas não é necessário guardar.

 

7) A validação das faturas apenas pode ser feita através do portal E-fatura.

 

8) Para fazer a validação é necessário ter o código de acesso à sua área da Autoridade Tributária. Se ainda não tem o acesso peça-o o quanto antes. É que o código ainda demora uns dias a chegar e pode já não vir a tempo de conseguir validar as faturas.

 

9) Para quem tem filhos, deve também pedir a senha de acesso ao portal das finanças para, caso tenha pedido faturas no nome dos filhos (exemplo: despesas educação e saúde), possa acompanhar as mesma e validar. Caso contrário não serão consideradas.

 

10) Para quem costuma utilizar a app E-fatura o melhor mesmo é verificar no portal. A aplicação não é oficial das Finanças e, embora permita o acesso direto à sua área e seja útil, poderá às vezes não conseguir comunicar na perfeição com as Finanças. Além disso, está a facultar os seus dados a uma terceira entidade. Prefiram o portal E-fatura.

 

Partilhem esta informação para que o maior número de pessoas consiga usufruir dos benefícios fiscais.

  

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Já receberam o reembolso do IRS?

Ba 29.06.16

Screenshot 2016-03-28 23.34.31.png

Há pessoas que entregaram o IRS mas que ainda não receberam o reembolso a que têm direito. Eu faço parte das que ainda não receberam. Apesar de saber que quem entrega na segunda fase - que este ano foi em Maio - recebe um pouco mais tarde, a verdade é que nunca demorei tanto tempo a receber.

 

No meu caso, entreguei a 9 de Maio, a declaração foi considerada certa a 21 de Maio e, desde então, nunca mais se mexeu. E reembolso nem vê-lo. Há uns dias em conversa com algumas pessoas apercebi-me que há quem tenha entregue na primeira fase, ou seja, em Abril, e ainda não recebeu o reembolso.

 

Tal como já tinha escrito aqui, a verdade é que, legalmente, o Fisco tem até 31 de Julho para fazer a liquidação e até 31 de Agosto para fazer o reembolsos. Até lá, volto a frisar, legalmente, não se pode falar em atrasos. No entanto, quando comparamos com os anos anteriores percebemos que sim, há atrasos.

 

Eu até gostava de tentar perceber um pouco melhor o que se pode estar a passar mas preciso da vossa ajuda. Quem é que entregou na primeira fase e ainda não recebeu? Deixem nos comentários as datas em que entregaram e qual foi a evolução desde então. Ou seja, em que data passou a dar declaração certa, recebida, etc. Queria tentar perceber se são só casos pontuais ou se ainda há muita gente "encalhada" com os reembolsos de IRS. 

 

Partilhem! Obrigada!

 

Acompanhe também a página do Facebook e o Instagram.

 

Quando é feito o reembolso do IRS?

Ba 19.05.16

Screenshot 2016-03-28 23.34.31.png

Muitas pessoas submeteram a sua declaração de IRS logo nos primeiros dias de Abril (a fase destinada a trabalhadores por conta de outrem e pensionistas) e, até ao momento, ainda não receberam o reembolso (aquelas que têm direito). Perante experiências de anos anteriores, há muitos contribuintes que estão a estranhar a demora.

 

Ao contrário de outros anos, este ano, o Fisco não se comprometeu com um prazo indicativo para as devoluções, o que pode ser justificado pelas várias alterações que ocorreram.

 

O certo é que, por lei, o Fisco tem de fazer a liquidação do IRS até dia 31 de Julho, sendo que a transferência do dinheiro pode ser feita até 31 de Agosto. Pelo que até ao final dessa data, legalmente, não se pode considerar que haja atrasos. Da parte das Finanças a indicação é que os contribuintes deverão ser reembolsados até ao final de Julho.

 

No caso do IRS entregue no ano passado, em média, as devoluções ocorreram em 25 dias, tendo sido mais rápidas para quem fez as entregas através da Internet e indentificou o NIB.

  

Eu entrego o meu IRS na segunda fase, ou seja, durante o mês de Maio e submeti a minha declaração no dia 9 de Maio. Até ao momento ainda aguardo validação.

 

Para quem quiser consultar a situação do IRS poderá fazê-lo através do Portal das Finanças. Basta ir a Cidadãos>Consultar>IRS>Declaração de 2015 e verá qual o estado que se encontra.

 

Fica a dica! Partilhem!

 

Leia ainda: "Guia IRS: o essencial para entregar a declaração sem erros".

 

Acompanhe também a página do Facebook e o Instagram.

 

Para receberem todas as novidades em primeira mão podem subscrever por e-mail o blog.

 

IRS: Tenho de entregar o Anexo SS?

Ba 05.05.16

IRS_anexo.jpg

Muitas pessoas têm perguntado sobre o Anexo da Segurança Social, conhecido como Anexo SS. No ano passado, ficou definido que tanto os trabalhadores que apenas têm recibos verdes como aqueles que acumulam trabalho dependente com recibos verdes tinham de entregar o Anexo SS. A dúvida era se este ano a regra se mantém ou não. A resposta é sim, mantém-se.

 

Assim, todos os trabalhadores que tenham atividade independente têm de entregar o Anexo SS quando preenchem o IRS. Mesmo aqueles que acumulam trabalho dependente com independente têm de o fazer, embora estes estejam dispensados de preencher o campo 6 deste Anexo.

 

Assim, quando for entregar a declaração de IRS não se esqueça de que é necessário juntar o Anexo SS. O prazo da entrega do IRS para quem teve outro tipo de rendimentos que não exclusivamente trabalho dependente, ou de pensões, ocorre durante o mês de Maio.

 

Para quem já entregou e esqueceu-se basta entregar uma declaração de substituição com o Anexo SS. Se fizer dentro do prazo não pagará qualquer coima.

 

Podem saber mais informações sobre quem está isento aqui.

 

Para saber como preencher o Anexo SS basta clicar aqui.

 

Leia também "Guia IRS: O essencial para preencher a declaração sem erros"

 

Fica a dica! Partilhem!

 

Acompanhe também a página do Facebook e o Instagram.

 

Para receberem todas as novidades em primeira mão podem subscrever por e-mail o blog.

Atenção: Pré-preenchimento no IRS afinal não preenche tudo!

Ba 18.04.16

Screenshot 2016-03-28 23.34.31.png

 

O período da entrega do IRS arrancou a 1 de Abril e, apesar dos vários esclarecimentos, as dúvidas ainda são muitas. Uma delas está relacionada com o pré-preenchimento da declaração. As pessoas estavam a contar que, depois de terem validado as suas faturas no portal E-Fatura, quando fossem preencher o IRS apareceriam todas as despesas pré-preenchidas. Ora, não é bem assim.

 

Tal como já vos tinha dito, as despesas gerais não aparecem, nem são supostas aparecer. Depois ainda há a questão das restantes despesas - habitação, educação, saúde, etc. Falei-vos também do pré-preenchimento do Anexo H, referente aos benefícios fiscais. No entanto, é importante esclarecer um ponto. Mesmo que respondam "não" à questão do quadro 6C, do Anexo H, ou seja, que não querem alterar nenhum valor e que assumem o pré-preenchimento não são pré-preenchidos todos os valores! A não ser que tenha apenas despesas de habitação, saúde e educação.

 

Vou explicar melhor: Dentro das despesas de deduções à coleta são só pré-preenchidas e contabilizadas (além das despesas gerais), e desde que concorde com as mesmas, as despesas  de saúde, educação e habitação (sendo que na habitação têm de identificar o imóvel). Ou seja, quem tiver, por exemplo, PPR, despesas com lares ou pensões de alimentos não basta responder "não". Tem de colocar esses valores manualmente. Caso contrário não estão contabilizados. Se por acaso não o fizeram, e já entregaram o IRS, podem sempre submeter uma nova declaração de substituição.

 

Entretanto podem também ler aqui o "Guia IRS: o essencial para entregar a declaração sem erros".

 

Fica a dica! Partilhem!

 

Acompanhe também a página do Facebook e o Instagram.

 

Para receberem todas as novidades em primeira mão podem subscrever por e-mail o blog.

Guia IRS: O essencial para entregar a declaração sem erros

Ba 06.04.16

finanças.jpg

A entrega da declararação de IRS referente ao ano de 2015 tem levantado muitas dúvidas. Tenho colocado aqui muitas informações e, inclusivamente, esclarecimentos que obtive por parte o Ministério das Finanças, que tem a tutela do Fisco. Há muitas questões que já estão respondidas em textos e nos comentários, até por alguns leitores a quem agradeço profundamente.

 

Como a informação está dispersa em vários textos, resolvi agrupar tudo neste post, por temáticas, os respetivos links para outros textos onde já esteja essa informação. Espero conseguir ajudar-vos assim:

 

1) Como preencher a declaração de IRS em 12 Passos:  Aqui podem encontrar informação de todos os passos que devem seguir para o preenchimento da declaração de IRS, referente ao ano passado. Existem algumas diferenças faça ao ano anterior. 

 

2) Pode ter de mudar de browser para entregar o IRS: Quem usa o Google Chrome não irá conseguir entregar a declaração. A Autoridade Tributária recomenda a utilização do Internet Explorer, Firefox ou Safari (para Mac OS X).

 

3) Novas datas de entrega do IRS. Este ano, pela primeira vez, a entrega em papel e online é feita em simultâneo. Em Abril devem entregar o IRS todos os trabalhadores que obtiveram rendimentos exclusivamente de trabalho dependente e também os pensionistas. Todos os restantes entregam em Maio.

 

4) Despesas gerais não aparecem no IRS. Muitas pessoas queixaram-se porque não encontravam as despesas gerais, com cabeleireiros, oficinas e restaurantes. A Autoridade Tributária esclareceu que não aparecem, nem vão aparecer porque não é suposto.

 

5) Como são contabilizadas as despesas do Anexo H dos benefícios fiscais. Há muitos leitores a queixarem-se que não aparecem as despesas com saúde, educação, etc. Aqui, neste texto, o Ministério das Finanças explica a razão. Além disso, e esta é uma informação nova, eu questionei as Finanças sobre a dúvida de alguns leitores: "Porque razão dá o mesmo valor da simulação quer junte o Anexo H ou não? Eu escolho a opção pré-preenchimento com o Anexo A e depois simulo e dar um valor. Depois a seguir junto o Anexo H, coloco “não” no quadro 6C e quando simulo dá exatamente o mesmo valor. Porque razão isto acontece?". E a resposta das Finanças foi esta:  "A resposta “Não” à pergunta do quadro 6C equivale a dizer que se pretende que a AT considere no cálculo das deduções à coleta os valores que lhe foram comunicados por entidades terceiras e que estão divulgados na página pessoal do sujeito passivo, ou seja, que o contribuinte não pretende alterar aqueles valores. O mesmo acontece se não juntar o Anexo H daí que o resultado da simulação seja o mesmo.O resultado da simulação só será diferente se o contribuinte preencher o quadro 6C alterando os valores comunicados à AT e desde que os limites legais da dedução não estejam excedidos". Ou seja, o valor da simulação é o mesmo só com o Anexo A e com o Anexo A+H (dizendo “não” no quadro 6C” porque se optou por pré-preencher a declaração). Isto porque a AT automaticamente assume todos os valores mesmo que não “puxe” o Anexo H. Em todo o caso convém colocar na mesma.

 

6) Trabalhadores independentes só conseguem fazer simulação em Maio. Aqui neste texto está a explicação sobretudo para os casos de casais em que um elemento tem rendimento dependente, e outro independente. 

 

7) Simulador alternativo às Finanças para os casais em que um elemento é trabalhador dependente e outro independente. Os casais nesta situação não conseguem simular através da Autoridade Tributária. Em alternativa, e mais para terem uma ideia do que pode compensar, recomendo que utilizem este simulador. Têm um vídeo explicativo como devem preencher.

 

8) Despesas com a habitação e filhos. Há pessoas que se queixam que não aparecem os juros do crédito à habitação. Aqui neste texto, mais em baixo, têm uma explicação. Nos comentário também há esclarecimentos por parte de alguns leitores. Também neste mesmo texto têm informação sobre as despesas com os filhos, já que a dedução é diferente se o dependente tiver menos, ou mais, de três anos.

 

9) As 10 despesas que podem ajudá-lo a poupar no IRS. Neste texto encontram todos as despesas que dão direito a benefício fiscal.

 

10) Cinco cuidados a ter antes de entregar a declaração de IRS. Aqui encontram um resumo de alguns alertas, muitos deles também já falado noutros textos.

 

Ainda assim eu sei que vão continuar a existir algumas dúvidas sobre o tema. Eu tenho recebido centenas, sim, centenas de emails e mensagens com perguntas de vários leitores. Infelizmente não consigo responder a todas, porque sou só uma e até porque não sei tudo.  Tenho procurado dar o meu contributo, mesmo enquanto jornalista, para o esclarecimento de todos. O que vos peço é que leiam atentamente os textos, os comentários deixados pelos leitores e sendo os casos muito específicos procurem esclarecer junto da Autoridade Tributária (707 206 707). Se não conseguir responder a tudo e a todos, peço desculpa. Em todo o caso, sempre que tiver alguma informação colocarei aqui no blog.

 

Obrigada a todos! Partilhem!

 

Acompanhe também a página do Facebook e o Instagram.

 

Para receberem todas as novidades em primeira mão podem subscrever por e-mail o blog.

Trabalhadores independentes só conseguem fazer simulação em Maio

Ba 05.04.16

Screenshot 2016-03-28 23.34.31.png

 

Tal como já vos tinha referido aqui, este ano, pela primeira vez, os casados têm a possibilidade de optar pela entrega da declaração em separado. Aliás, a partir de agora o Fisco passa a considerar, para todos os casais (quer casados, quer unidos de facto), que a tributação é feita em separado. Para se fazer a entrega em conjunto deverá ser assinalado logo quando entra no programa, assim como no quadro 5 da folha de rosto.

 

Leia ainda: "Despesas gerais não aparecem no IRS" e "5 Cuidados a ter antes de entregar a declaração de IRS"

 

Para saber se compensa a entrega em conjunto ou separada o melhor mesmo é fazer a simulação. No entanto, no caso dos casais em que um dos elementos tem trabalho dependente e outro independente, atualmente (espero que ainda mude), ainda não é possível fazer a simulação porque o anexo B (referente aos rendimentos de trabalho independente) não está disponível.

 

Foi por isso que questionei o Ministério das Finanças, que tem a tutela do Fisco. Coloquei a seguinte questão: "Imaginando um casal em que um trabalhador é dependente e outro independente, como podem fazer para simular o que compensa? É que, atualmente, o Anexo B não está disponível. E imaginando que aguardam por Maio e depois verificam que compensa em separado o trabalhador dependente já tem de entregar fora do prazo".

 

A resposta das Finanças foi esta: "Tal como nos anos anteriores o simulador da Autoridade Tributária é disponibilizado na aplicação de entrega das declarações, pelo que durante o mês de abril a simulação abrange os rendimentos do trabalho dependente e pensões e em maio contemplará outros rendimentos para além destes".

 

Ou seja, os casais nesta situação não têm possibilidade de fazer a simulação pelo portal das Finanças. Por isso, aconselho que utilizem o simulador que já vos tinha falado. Já dá para ter uma ideia se vai pagar ou receber, e o que compensa. Aproveitem e vejam o vídeo que explica como utilizador o simulador.

 

Fica a dica. Partilhem!

 

Acompanhe também a página do Facebook e o Instagram.

 

Para receberem todas as novidades em primeira mão podem subscrever por e-mail o blog.

IRS: Como são contabilizadas as despesas do Anexo H dos benefícios fiscais

Ba 04.04.16

IRS2015.jpg

Na entrega da declaração de IRS deste ano se concordar com todos os valores que apareciam no site das Finanças, que ficou disponível a partir de 15 de Março, não terá de colocar nenhum valor.

 

Leia ainda: "Despesas gerais não aparecem no IRS"  e "Trabalhadores independentes só conseguem fazer simulação em Maio"

 

No quadro 6C, do Anexo H (referente aos benefícios fiscais), surge a seguinte questão: “Em alternativa aos valores comunicados à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), pretende declarar as despesas de saúde, foro e educação, os encargos com imóveis e os encargos com lares relativos ao agregado familiar”. Se quiser que sejam contabilizados os valores que vinham indicados no Portal das Finanças deverá dizer que “não”. Se não concordar com algum valor e quiser alterar deverá indicar que “sim”. 

 

Eu tinha-vos dito anteriormente que, se optassem pela resposta “não”, ou seja, se pretendessem que a Autoridade Tributária considerasse os valores comunicados, que esses seriam pré-preenchidos. Ora não está completamente correto. São considerados no preenchimento mas não aparecem.

 

Eu coloquei a seguinte questão ao Ministério das Finanças, que tutela o Fisco: Há contribuintes que indicam que, no Anexo H, mesmo depois de colocar “não” no quadro 6C (ou seja, que pretendem que a AT pré-preencha com os valores validados no E-Fatura) não aparecem as despesas. Porque razão acontece? O que fazer nestes casos?

 

E esta foi a resposta por parte das Finanças: “A resposta “Não” indica que o contribuinte não quer preencher o quadro 6C do Anexo H, razão por que não é feito qualquer pré-preenchimento desse quadro, sendo considerados no cálculo das deduções à coleta os valores que foram comunicados à AT e divulgados na página pessoal dos contribuintes. O Quadro 6C só deve ser preenchido quando os contribuintes queiram declarar as despesas relativas a saúde, formação e educação, imóveis e lares, em alternativa aos valores comunicados à AT. Nesse caso devem responder “sim” à pergunta do quadro 6C do Anexo H, tendo, em caso de entrega por Internet, a faculdade de recorrer à assistência no preenchimento do quadro, devendo, para o efeito,  proceder à sua autenticação, bem como de todos os elementos do agregado familiar identificados no rosto da declaração, mediante inserção das respetivas senhas de acesso. Após essa autenticação, o quadro 6C é pré-preenchido com os valores que constam na página pessoal de cada um dos elementos do agregado familiar autenticados, podendo o(s) sujeito(s) passivo(s) alterar os valores das despesas pré-preenchidos, bem como adicionar ou eliminar despesas. A não autenticação de algum elemento do agregado familiar, através da senha de acesso, não impede a inscrição manual das despesas e encargos por este suportados. Para efeitos do cálculo das deduções à coleta em causa, os valores declarados no anexo H substituem, na íntegra, os valores de todos os tipos de despesas e de todos os elementos do agregado familiar que tenham sido comunicados à AT nos termos da lei e por esta demonstrados na página pessoal de cada uma dessas pessoas pertencentes ao agregado familiar”.

 

Despesas com os filhos

Também as despesas com os filhos (saúde, educação) são carregadas automaticamente.

 

Além disso, uma das questões que coloquei está relacionada com os filhos. É que, segundo a reforma de IRS o abatimento por filho varia se este tem mais, ou se tem menos do que três anos. (cada dependente abate à coleta 325 euros se tiver mais do que três anos e 450 caso tenha menos de três anos de idade). Como na declaração deste ano não há nenhum campo para colocar a idade dos dependentes questionei como era feito o cálculo. Esta foi a resposta das Finanças: “O cálculo é feito automaticamente pela AT com base na informação do cadastro, onde consta a data de nascimento”.

 

Despesas com a habitação

Para quem tem crédito à habitação, ou paga renda de casa, terá de colocar, no campo 7, do Anexo H o NIF do banco e os dados do imóvel. Caso não coloque esta informação poderá não ser contabilizado esse benefício fiscal, tenha atenção. Em todo o caso deverá receber um alerta.

  

Problemas no simulador

Têm sido muitas as pessoas que se têm queixado de problemas, quer no pré-prenchimento do Anexo A, do rendimento de trabalho dependente, quer da própria simulação.

 

Relativamente, à primeira situação referi que havia casos de contribuintes que mesmo depois de dizerem que pretendem a declaração pré-preenchida, não aparecia o Anexo A com os valores pré-preenchidos. Questionei porque razão acontece? E o que podem fazer? Segundo as Finanças, “o não pré-preenchimento do Anexo A poderá resultar da falta de entrega das declarações das entidades pagadoras dos rendimentos (v.g DMR e Modelo 10), ou com a existência de erros nessas declarações. Uma vez sanados esses problemas o Anexo A  é objeto  de pré-preenchimento”.

 

Quanto ao simulador, referi que havia muitos contribuintes que estão a tentar simular mas não conseguem e já fizeram várias tentativas ao longo dos 4 dias e aparece a seguinte mensagem: "Não foi possível comunicar com a servidor. Tente mais tarde”. Questionei se havia algum problema com o simulador. Esta foi a resposta das Finanças: “Foram identificados constrangimentos não generalizados relacionados com configurações de ambientes tecnológicos, pelo que a AT está  a implementar soluções para rapidamente serem ultrapassados os problemas”.

 

Espero que estes esclarecimentos vos ajudem a preencher a vossa declaração de IRS.

 

Ficam as dicas. Partilhem!

 

Leia ainda: "5 Cuidados a ter antes de entregar a declaração de IRS", e "Como preencher a declaração de IRS em 12 passos".

 

Acompanhe também a página do Facebook e o Instagram.

 

Para receberem todas as novidades em primeira mão podem subscrever por e-mail o blog.