Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Comprometida com um peso saudável #4

Ba 06.04.17

BB_Pronpkal_2meses_foto2.jpg

Como sabem no início deste ano tomei a decisão de investir em mim, na minha saúde e bem-estar. No início de fevereiro resolvi começar um tratamento médico da Pronokal, o qual vos tenho vindo a relatar. Entretanto passaram 2 meses.

 

Quem já teve oportunidade de me ver já notou as diferenças e os números não deixam margem para dúvidas. Em 2 meses perdi 11 quilos e tenho menos 9 centímetros de cintura. Conseguem imaginar a minha felicidade?! Sinto-me super bem, com imensa energia e todos os dias redescubro o meu guarda roupa.

BB_2Meses_Pronokal_foto3.jpg

As calças de ganga que vestia há um mês já me estão tão largas que caem. Estou a vestir calças, saias, camisolas, jumpsuits que já não estavam dentro das minhas opções há muito tempo. Claro que agora até pareço mais vaidosa. Mas não é de agora, eu sempre fui. A diferença é que agora tenho mais opções para vestir. E claro, com menos quilos e volume a verdade é que me sinto melhor.

 

Não é que a minha auto-estima estivesse em baixo, pelo contrário, mas a verdade é que começo a fazer as pazes com o meu corpo, com a minha imagem, no sentido de já não sentir que preciso de “esconder” as gorduras, disfarçar o excesso de peso.

 

Neste período também mudei para uma nova fase em que já me são permitidos novos alimentos. Todo um mundo de carne, peixe, marisco, ovos, etc, que posso agora conjugar nas refeições e que me ajudam na minha vida social. Posso mais facilmente ir a jantares e almoços com amigos e de trabalho sem ter de ir de marmita atrás.

 

Além da mudança na balança e no corpo, a principal mudança que tem acontecido tem sido na cabeça e a nível emocional. Atualmente sinto que tenho a compulsão pela comida – que me levava a atacar a despensa – controlada. A prova disso é que em 2 meses NUNCA fiz uma asneira. ZERO asneiras. E sou eu que cozinho em casa. Ainda tenho de passar pela provação de os ver a comer algumas coisas que gosto sem tocar. Confesso que cada vez me custa menos, parece que diminuiu a ansiedade pela comida. Para mim, essa é uma das vitórias mais relevantes.

 

Outra das mudanças tem sido no exercício, de ter voltado a introduzir passados tantos anos uma rotina. O PT Paulo tem sido incansável em ajustar o plano de exercícios, em puxar por mim. Hoje em dia quando não consigo treinar fico mesmo chateada. No outro dia falava com o Paulo e dizia-lhe: “estou há 2 dias sem fazer exercício e estou me a passar”. Ele sorriu e respondeu-me: “Já viste o que estás a dizer? Já viste a diferença do discurso face ao início?” E é bem verdade. Ali estou eu, antiga atleta de alta competição que se encostou a uma vida sedentária e que resultou num enorme aumento de peso, completamente furiosa pelo facto de haver dias em que não consigo treinar. Ficar 2 ou 3 dias seguidos sem exercício já me deixam chateada. Sim, esta é também outra das grandes vitórias. 

2 Meses Pronokal_antes_depois.jpg

O tratamento está a correr super bem, não tenho fome, sinto-me com energia e estou muito feliz e entusiasmada com os resultados que consegui, sobretudo em tão pouco tempo.

 

Aproveito para agradecer todas as mensagens de apoio e partilha dos leitores, amigos e família. Só quem passa por um processo destes sabe o quão importante é termos quem nos suporte e apoie. Muito obrigada!

 

Agora vamos lá continuar a levar este tratamento até ao fim. Estou completamente focada em conquistar mais uma vitória neste caminho de perda de peso. Podem ir acompanhando tudo pelo Instagram. Vamos a isso! 

Comprometida com um peso saudável #3

Ba 06.03.17

Ba - 1 mês Pronokal.jpg

Já passou 1 mês desde que comecei o tratamento médico da Pronokal. Para quem tem acompanhado a minha evolução aqui no blog, e também através do Instagram, acredito que estejam um pouco curiosos em saber resultados. Mas já lá vamos.

 

Desde a última consulta com a Dr.ª Katia (o acompanhamento médico é feito de 15 em 15 dias) passaram uns dias muito difíceis. Aliás, desafiantes, tanto em termos de logística como também em termos emocionais. Primeiro em termos de logística porque tive as minhas primeiras duas viagens – ainda que tenham sido em Portugal – e em termos emocionais porque perdi duas pessoas próximas.

 

Confesso que estive preocupada com as viagens. Diria mesmo ansiosa. O receio de não conseguir cumprir o tratamento era grande. Claro que levava os meus produtos Pronokal mas, nesta fase em que estou, tenho algumas restrições em termos de alimentação, o que significa que posso não encontrar os alimentos que posso comer nos sítios para onde vou. Muitas vezes, nos eventos que frequento, não há possibilidade de escolher a comida. São eventos onde os menus e refeições já estão definidos. Antes mesmo de viajar falei com a médica e com as nutricionistas sobre quais as alternativas que teria caso tivesse mesmo de me sentar à mesa para uma refeição de garfo e faca. Mais uma vez a equipa foi verdadeiramente incansável. Retiraram-me todas as dúvidas e deram várias alternativas para garantir que não saía do processo de cetose.

 

Consegui “sobreviver” à viagem de Aveiro e do Algarve sem sair uma única vez do tratamento. E acreditem que foi um pouco difícil. Não foi difícil por falta de força de vontade minha, foi difícil por causa das outras pessoas. Parece que faz confusão às pessoas que haja alguém – neste caso eu – que opte por não comer o que toda a gente come e faça o meu próprio regime alimentar. “Vá lá, come este arrozinho”; “Prova isto. É só hoje”; “Vá lá, um dia só não falta mal...”. FAZ!!!!! Meus amigos, se eu estou a fazer dieta é porque houve muitos dias a dizer “é só hoje”. Não pode haver desculpas. Eu não quero comer isso. Pelo menos enquanto não atinjo o meu objetivo. Mas porque raio o que eu como é tão importante para as outras pessoas?! Pronto, desabafo feito e revelada a principal dificuldade que tenho sentido: os outros. Nada mais. Não tenho fome. Tenho energia e sinto-me bem! Os outros é que estão sempre a tentar tirar-me da dieta.

 

Nesta fase também já estou a fazer exercício de forma mais regular com o personal trainer. Uma das grandes vantagens deste tratamento é ter um acompanhamento especializado de treino. Isto é particularmente importante porque como estamos em cetose o exercício tem de ser feito na medida certa. O Paulo é uma verdadeira máquina. Está sempre a motivar, a tentar perceber como me sinto, como o meu corpo reage e sempre a incentivar a manter-me focada no objetivo. Além do treino acompanhado nas instalações de Pronokal também tenho definido um plano que posso fazer no ginásio ou em casa. Claro que já fui comprar o material (uns pesos, tapete e elásticos) para fazer os exercícios. Estava tão enferrujada que os músculos nos primeiros dias até estranharam terem sido acordados.

 

Também na área do Club Pronokal – que é reservada a pacientes – podem encontrar vídeos de exercícios que ajudam a completar o treino. Aliás, o Club Pronokal é todo o mundo. Há receitas para as diferentes fases, um fórum, programa de apoio de coaching, etc. Para quem faz o tratamento é, de facto, uma grande mais valia este Club.

 

Screenshot 2017-03-05 22.43.41.png

E eis que chegou o derradeiro dia. Sabia que tinha feito tudo certo. Talvez pudesse fazer mais exercício e também dormir melhor (foram dias em que dormi muito pouco) mas, de resto, tinha cumprido tudo. Se, nos primeiros 15 dias perdi sobretudo volume, nesta fase, além do volume, foram também mais uns quilos e uns centímetros. No total, em 1 mês perdi 6kg e, em relação à última medição, perdi 4 centímetros na zona da cintura.

1ºmes vs 1º dia - Pronokal - Ba1.jpgA foto mostra como comecei e como estou agora. Claro que há diferenças. Mas, talvez pela roupa, não notem tanto. Na primeira tinha roupa mais larga (amigos, uma pessoa está gorda mas sabe disfarçar as suas gorduras, ok?). Agora vesti, propositadamente, uma roupa mais justa para que possam perceber melhor a evolução a partir daqui. Ah, é verdade, também vesti esta roupa porque agora me serve. Há um mês estas calças de ganga pura e simplesmente não me serviam.

 

Eu noto mesmo muito na roupa. Estou mesmo satisfeita com os resultados. Até resolvi dar um corte no cabelo para ficar melhor comigo mesma. Não se sente na balança mas reflete-se na energia de uma pessoa. Eu vou continuar focada nos meus objetivos e comprometida com um peso saudável. Podem ir acompanhando tudo pelo Instagram. Vamos a isso!

 

Comprometida com um peso saudável #2

Ba 15.02.17

No início deste mês revelei-vos uma das minhas resoluções para este ano: perder peso. Depois de muito tempo dedicada a tudo e todos decidi investir em mim, na minha saúde, e comecei o tratamento médico com a Pronokal.

 

No arranque tudo foi novidade (e ainda vai sendo): novas refeições, legumes permitidos à vontade, verduras que só podemos comer uma determinada dose, especiarias para explorar, escolher os produtos Pronokal e iniciar a viagem.

 

Os primeiros dois dias foram um pouco mais complicados porque o corpo ainda não tinha entrado em processo de cetose (que normalmente acontece ao terceiro dia).

 

O que é a cetose?

A cetose é um estado metabólico no qual o organismo obtém energia não da glicose (que é o que normalmente acontece) mas sim de moléculas chamadas de corpos cetónicos. No fundo, o organismo tem de recorrer às reservas gordas para obter a energia de que necessita. Este processo proporciona a formação dos chamados corpos cetónicos, os quais serão utilizados como combustível por determinados órgãos e causarão um efeito psicoestimulante. Para garantir que todas as necessidades são supridas, e que o organismo se mantém em equilíbrio, enquanto estamos neste tratamento tomamos suplementos de sódio, potássio, magnésio, cálcio, vitaminas e ómega 3+6.

 

Depois de entrar neste estado de cetose a fome desaparece (de verdade!), a energia está de volta e começamos o processo de perda de peso.

 

A minha luta maior, nos primeiros dias, foi a habituação ao sódio mas, uma vez mais, com a ajuda preciosa da Dr.ª Katia consegui encontrar uma solução para o meu organismo.

 

Quanto às refeições posso dizer-vos que tem sido super fácil de fazer. Há desde snacks rápidos e fáceis de levar como as magníficas barritas de double choc que são M-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a-s (sou capaz de continuar a comer mesmo depois da dieta) até omoletes que podemos adaptar ao nosso gosto e explorar com os legumes permitidos (podem acompanhar pelo Instagram). Tenho usado e abusado das especiarias e testado várias receitas como pizza de couve-flor, wraps com cogumelos, panquecas com doce e canela, etc. Afinal, não é assim tão complicado conseguirmos encontrar receitas ao nosso gosto. Além de haver receitas disponíveis online, há também todo o apoio das nutricionistas (a Ana Rita e a Inês têm sido incansáveis).

 

Os dias foram passando e aproximou-se o derradeiro dia da consulta. Afinal, quanto peso tinha perdido? Por dificuldades de agenda minha tivemos de marcar para o meu 13º dia da dieta. Subi para a balança sem muitos receios até porque já sinto algumas diferenças. Veredicto? Menos 3 kg. Fiquei muito feliz com o feito, até porque depois em conversa com a nutricionista até vi melhor as coisas. Não foram duas semanas completas até há segunda consulta. Se retirar os 3 dias antes de entrar em cetose, na prática, estamos a falar de 10 dias “úteis” que correspondem a 3 kg a menos. E isso é muito bom!

 

Saí bastante animada da consulta e com novos produtos e ideias para receitas. Nos próximos dias terei mais uns desafios: vou estar em viagem. Vamos ver como me consigo adaptar e se tudo corre bem. O balanço será novamente feito quando fizer 1 mês de tratamento. Depois conto-vos tudo, prometo!

 

Até lá continuo comprometida em atingir um peso saudável. Podem ir acompanhando pelo Instagram. Vamos a isso!

Pronokal_BB_13Dias.jpg

PS: Estas calças são parecidas com as anteriores mas são outras. Antes de iniciar o tratamento não apertavam e agora servem-me na perfeição.

Comprometida com um peso saudável #1

Ba 02.02.17

Primeiro os filhos, o marido, a mãe, o pai, a avó, os amigos, o trabalho, os novos projetos...a lista poderia continuar e já quase não haveria tempo disponível no dia. Têm sido assim os últimos dias e semanas. Têm sido assim os últimos anos. Tudo primeiro e depois...eu. Aliás, vendo bem já nem consigo aparecer na lista. Claro que faço tudo o que gosto. Passeio (menos do que desejava, é verdade, mas faço-o), estou com a família, com os amigos, participo em vários projetos e, na verdade, sou muito feliz com tudo isto. Só que nos últimos anos talvez não tenha tido tempo para parar e perceber o que me aconteceu a mim, ao meu corpo e à minha saúde.

 

Sempre desculpei o meu peso com o facto de ser alta, ter uma estrutura e ossos largos (o que quer que isso seja), ser grande... mas a realidade nua e crua é uma: estou gorda! Sim, assim mesmo. Estou gorda! E não pensem que me sinto miserável. Na verdade, sempre gostei de mim e mesmo depois de ter engordado bastante nos últimos anos – e até podia não estar muito satisfeita com o corpo – não permiti que esse estado me impedisse de rir, de olhar para a vida de forma positiva.  Aprendi a disfarçar o que menos gostava ao espelho e fui camuflando os quilos.

 

Mas no final do ano passado houve um dia em a ficha caiu. Encontrei uma foto de há uns anos e que tinha um peso saudável. O choque foi maior quando olhei para uma foto tirada dias antes. Nem queria acreditar. Quem era aquela? De quem é aquele corpo? Como posso estar a enganar-me e achar que estou saudável com 26 quilos a mais. Foi aí que percebi que as dores nos joelhos não são só da alta competição de anos longínquos, mas do excesso de peso. Às vezes são precisos cliques destes. Naquele dia o sorriso esmoreceu um pouco. Fiquei triste comigo, fiquei triste por me ter esquecido de mim.

 

Uns dias depois mostrei a foto a uma amiga e desabafei que precisava de emagrecer. Expliquei-lhe que o meu problema é ter uma relação emocional com a comida. Basicamente, quando estou feliz, como. Quando estou triste, como. Quando estou stressada, como. E até quando estou bem, gosto de comer.

 

Essa amiga falou-me de um tratamento médico que ajuda as pessoas a emagrecer e que eu já tinha ouvido falar por alto. Por norma, eu desconfio de tudo o que é dieta. Ainda assim, perante a dura realidade dos números fui investigar do que se tratava. Li muito, pesquisei bastante e quando percebi que se tratava de um tratamento médico decidi ouvir um pouco mais. Afinal não é mais uma dieta louca. Há estudos científicos que a comprovam, suportam e demonstram a sua eficácia. Na realidade, nem todas as pessoas a podem fazer. É preciso ter o “ok” do médico. Foi assim que resolvi iniciar uma nova etapa com o tratamento da Pronokal.

 

Este tratamento tem como principal fator diferenciador haver um acompanhamento médico e de uma equipa multidisciplinar. Tudo começa por uma consulta médica e é esse médico que nos acompanha e prescreve a dieta. No meu caso, estou a ser acompanhada pela fantástica Dr.ª Katia Kuchler que tem sido incansável. Respondeu a todas as minhas perguntas e dúvidas (e acreditem que foram muitas) e acalmou todos os meus receios. Mandou-me fazer um check up completo. Ele foram exames, análises, falámos da minha relação com a comida, quis saber se tomo medicamentos, tudo mesmo. E só depois de receber os resultados todos é que me deu a luz verde para avançar.

 

Passei para a nutricionista Ana Rita Santos que me esteve ajudar a planear as refeições, a indicar os alimentos que posso comer, as quantidades e a ensinar-me vários truques para me sentir bem. E tenho ainda um personal trainer que me vai acompanhar. Agora já não há desculpas: o exercício físico vai voltar a fazer parte da minha vida. Confesso que até estou animada com essa parte, até porque sei que mais do que ajudar o corpo, o exercício ajuda-me na mente.

 

Por fim, a equipa multidisciplinar conta também com profissionais de coaching que me vão ajudar a manter focada. Acreditem que isto faz toda a diferença. Normalmente, quando iniciamos uma caminhada destas – e quem já tentou várias dietas sabe do que falo – nem sempre é fácil conseguir manter o foco, até porque há muitas tentações.  Há um lado emocional que tem de ser trabalhado, até porque foi esse lado que me conduziu ao estado atual. Claramente este é um processo de dentro para fora. Mais do que um corpo mais bonito, o que quero é ter uma saúde melhor. Quero ver os meus filhos crescerem e poder acompanhá-los nas futeboladas (sim, porque sou mulher que gosta e dar uns chutos na bola).

 

Agora que começo o meu tratamento, espero que este seja um início de um novo ciclo na minha vida. Chegou o meu tempo. Chegou o tempo de investir e cuidar de mim. Vamos a isso. Let the games begin!

Ba_02.02.17jpg.jpg