Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

Vamos descobrir novos paradigmas da relação com o dinheiro!

Ba 28.06.17

MoneyTalk - 8 julho - ESGOTADO.jpg

Já está completo o grupo que irá participar na primeira tertúlia financeira organizada em parceria com o MoneyLab, o projeto de literacia financeira fundado por mim. Para quem não sabe eu trabalho nesta área de educação financeira há mais de 12 anos e tenho várias especializações em finanças pessoais.

 

Esta primeira Money Talk será dedicada a "Dicas e Estratégias de Poupança" e a adesão foi a incrível. Embora só esteja a revelar a informação agora, a verdade é que a sessão esgotou em menos de um hora, depois de ter anunciado aqui no blog. No dia 8 de julho, estas pessoas vão iniciar uma mudança nas suas vidas e conhecer novos paradigmas na relação com o dinheiro. Confesso que até estou um pouco ansiosa. É que se há algo que eu amo fazer na vida é isto! E mesmo passados todos estes anos continuo a sentir aquela super energia e adrenalina de preparar uma sessão para novos participantes. :)

 

Aproveitem também para subscrever o canal de Youtube do Moneylab e também o Instagram. Haverá novidades muito em breve. 

Dica para pouparem mais de 80% nos manuais escolares

Ba 27.06.17

manuais escolares.jpg

O fim do ano letivo significa o termino de mais um ciclo na vida de muitas crianças e jovens. Para os professores e escolas significa começar a preparação do próximo ano que arranca em setembro, e que marca o regresso às aulas dos mais novos. Habitualmente é um mês de muitas despesas para as famílias. No entanto, essas despesas podem ser reduzidas se forem planeadas com tempo e também se encontrarem algumas alternativas. Um exemplo disso é a empresa que vos apresento hoje: a Book in Loop.

 

Trata-se de uma plataforma online de reutilização de livros e maunuais escolares, que permite aos consumidores pouparem na compra dos livros e ainda poderem ganhar com a venda dos usados.

 

Quem compra manuais usados pode poupar até 60% do Preço de Venda ao Público (PVP). Se vender is usados, pode receber até 20% do preço original do livro. Ou seja, ao fazer o ‘loop’ completo de compra e venda, pode poupar até 80% nos manuais escolares.

 

Por exemplo: Uma família que gaste 215 euros por ano pode poupar 129 euros ao comprar os livros na plataforma podendo, ainda, reaver 20 por cento do que gastou nos manuais do ano anterior se decidir entregá-los. Um valor na ordem dos 40 euros. Isto significa que, ao fazer o ’loop’ completo de compra e venda, uma família poderá poupar até 80 por cento nos manuais escolares. Neste caso cerca de 170 euros.

 

Para se inscrever e participar neste movimento de "economia de partilha"  basta entrar no site ou fazer o download da aplicação e inscrever-se. Convém ainda ter atenção às datas e critérios tanto para venda como para compra. Consultem aqui.

 

Na Book in Loop, todos os manuais escolares passam por um processo de identificação e controlo de qualidade certificado pela Universidade de Aveiro. Este garante que o estado de conservação dos manuais não causa quaisquer prejuízos na aprendizagem dos novos utilizadores e que são os adotados na respetiva escola.

 

Para quem queira poupar esta é uma boa oportunidade.

 

Fica a dica!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Money Talks: Dicas e Estratégias de Poupança

Ba 22.06.17

MoneyTalk - 8 julho.jpg

Recentemente falei-vos aqui no blog das Money Talks. Quer dizer, na verdade não cheguei a revelar muito na altura. Pedi apenas a quem estava interessado numa sessão de finanças pessoais para deixar os seus contactos que depois iria receber mais informação. E foram bastantes as pessoas que se pré-inscreveram e, por isso, tiveram acesso em primeira mão a esta informação que estou agora a colocar no blog. 

 

Para quem não tinha visto fica agora a saber da oportunidade de entrar num novo mundo e começar a controlar o seu dinheiro, em vez de deixar que o dinheiro o controle a si. Preparem-se a aprender novas dicas de poupança, a conhecer novas estratégias de investimento, os segredos dos grandes investidores e como pode começar um plano de ação para a sua indepedência financeira.

 

Todos estes temas são tratados, estudados e colocados em prática nos workshops do MoneyLab - um projeto de literacia financeira focado na formação e conteúdos de finanças pessoais.

 

O que são as Money Talks?

As MoneyTalks foram criadas e desenvolvidas pela fundadora do projeto MoneyLab, Bárbara Barroso, e pretendem descomplicar os temas relacionados com dinheiro e as finanças pessoais. No fundo, tratam-se de tertúlias financeiras para um grupo restrito de pessoas (já que há limites de inscrições). Nestas sessões irá falar-se abertamente sobre os vários tópicos do tema escolhido. Sem tabus, sem medos. O objetivo é que todos os participantes saiam esclarecidos e com vontade de assumir verdadeiramente as redeas das suas finanças.

 

Depois de um pequeno inquérito, que também lancei aqui no blog, o tema escolhido para primeira MoneyTalk foi: "Dicas e estratégias de Poupança". Iremos falar sobre como conseguir reduzir os custos no nosso orçamento nas mais diversas categorias. Como uma boa conversa faz-se da participação de todos tragam além de dúvidas, também sugestões. E, acima de tudo, a mente aberta para mudar!

 

Data e duração8 de Julho (Sábado) das 10h30 às 13h.

 

LocalLisboa (Chiado).

 

Como me posso inscrever?

Basta enviar um email para info@moneylab.pt, cujo assunto do email seja "MoneyTalk: Dicas e estratégias de Poupança" e indicarem o vosso nome, email e número de telemóvel. Depois irão receber as indicações para finalizar o processo. Atenção: o número de inscrições é limitado!

 

Qual o valor da sessão?

Esta é uma oportunidade única para todas as pessoas terem acesso a uma formadora reconhecida e especializada nesta área, além da partilha de conteúdo valioso que pode mudar a sua vida. Por ser a primeira, por querer que ninguem deixe de ir por questões financeiras, esta sessão em particular tem um preço simbólico. E quanto precisa de investir? Atenção, estão preparados? 1 euro. Sim, isso mesmo. Leram bem e não falta nenhum número. Tem o valor simbólico de 1 euro. Não há desculpas para não participarem. E no dia da sessão vão perceber o porquê.

Nota muita importante
Os lugares são limitados e as inscrições são feitas por ordem de chegada, após verificação e validação de toda a documentação. Envie o email e garanta o seu lugar agora.

 

Aproveitem também para subscrever o canal de Youtube do Moneylab. Haverá novidades muito em breve. 

 

A chave do sucesso está na educação financeira!

Money Talks: vamos falar sobre finanças pessoais

Ba 08.06.17

MoneyTalks.jpg

Quem me acompanha sabe que estou ligada à área de educação financeira há vários anos. Além de ter lançado projetos de conteúdos destes temas em vários órgãos de comunicação social, sou a fundadora do projeto de literacia financeira MoneyLab, e dou formação, workshops e paletras como especialista em finanças pessoais e coach financeira. Desde o final do ano passado, até na sequência do lançamento da Agenda da Poupança 2017, e depois de vários pedidos, voltei a reforçar as horas de formação. 

 

Já há algum tempo que andava a planear um projeto que envolvesse também o blog... e aqui estou eu. Ainda não vos posso revelar tudo. No entanto, apenas vos deixo um desafio: quem está interessado em participar numa sessão de finanças pessoais? A única coisa que vos peço é que preencham os formulário com os dados pedidos. Depois irão receber informação sobre isto das "Money Talks".

 

Preencham os dados, partilhem a informação com os amigos e familiares. Vamos cuidar das nossas finanças pessoais!

10 Dicas para poupar nas viagens de avião

Ba 07.06.17

aviao.jpeg

Se está a pensar em marcar um voo para a sua próxima viagem e não quer arruinar o seu orçamento talvez seja interessante avaliar estas dicas. Algumas já tinham sido publicadas na Agenda da Poupança 2017, outras não. Aqui ficam 10 sugestões para poupar nas viagens de avião:

 

1) Compare os preços através de motores de busca para viagens. Os sites da Momondo, Edreams, Rumbo ou Skyscanner são apenas alguns exemplos que lhe oferecem várias companhias aéreas e apresenta os melhores preços conforme os critérios de pesquisa.

 

2) Coloque alertas de preços nos motores de busca. Assim quando os bilhetes estiverem ao preço que pretende irá receber um alerta.

 

3) Faça pesquisa também nos sites das companhias aéreas. Muitas vezes há campanhas de desconto durante alguns dias e é possível encontrar preços mais apelativos.

 

4) Compre o bilhete de avião na altura certa. A terça-feira, após a hora de almoço, sempre foi denominado como o melhor dia para se comprar bilhetes, já que as companhias aéreas optam muitas vezes por esse dia para colocar promoções. No entanto, um estudo da empresa norte-americana Airlines Reporting Corporation (ARC), indicou que os bilhetes de avião mais económicos encontram-se ao domingo. Já para voos internacionais é recomendada uma antecedência de 171 dias.

 

5) Seja flexível nas datas. Por vezes basta alterar a hora ou o dia para conseguir preços mais baixos. Evite os fins de semana, e alturas de grande afluência.

 

6) Fazer escalas, em vez de optar por voos diretos, pode sair mais barato. Faça as contas e veja, conforme a sua agenda, se não lhe compensa mais fazer umas paragens noutros aeroportos.

 

7) Os aeroportos secundários podem ser também uma solução para conseguir baixar o preço total dos voos. Se vai fazer escala avalie as várias soluções.

 

8) Se for um viajante mais assíduo informe-se da possibilidade de adquirir um passe aéreo. Há companhias que oferecem essa possibilidade até para fidelizar clientes

 

9) Procure os descontos especiais para estudantes. Pode consultar, por exemplo, o site da Statravel para encontrar viagens com descontos exclusivamente para estudantes.

 

10) Aproveite para acumular as milhas de passageiro frequente. Há companhias que costumam lançar campanhas de bilhetes-prémio a metade ou menos das milhas que são normalmente necessárias.

 

Ficam as dicas e boa viagem!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Saiba como fazer um 'check up' financeiro

Ba 06.06.17

check up financeiro.jpg

Chegados a meio do ano é tempo de balanços. Esta é uma boa altura para se olhar para a primeira metade do ano e avaliar o que correu bem, menos bem e se estamos no caminho certo para atingir os nossos objetivos. Se as coisas não correram como o previsto não há problema. Basta ajustarmos o nosso plano, redefinirmos as metas e iniciar um novo plano de ação. 

 

Para isso é sempre importante avaliar onde estamos e definir para onde vamos. Por isso, recupero um conjunto de princípios que já tinha escrito há algum tempo e que continuam atuais. Façam um 'check up' às vossas finanças em 10 passos:

 
1- Pense no seu orçamento como a contabilidade de uma empresa
Faça um balanço e um mapa de fluxo de dinheiro (receitas e despesas). O balanço vai ajudá-lo a compreender os seus activos e passivos. Em termos práticos, activos é o que coloca dinheiro no bolso e tem valor, e os passivos são as suas dívidas. Por exemplo: depósitos ou a casa são considerados activos. Já o empréstimo da casa é um passivo. O mapa de fluxo de dinheiro permitir-lhe registar todas as entradas e saídas de dinheiro. Por exemplo, os 100 mil euros do crédito da casa são registados como um passivo, mas a prestação, por exemplo, de 400 euros é registada no seu mapa de receitas e despesas.
 
2- Avalie a sua situação líquida
Este indicador vai ajudá-lo a compreender como ficaria a sua situação se utilizasse todos os activos para eliminar os passivos. Por essa razão, deverá aplicar a fórmula: activos - passivos =saldo líquido. Se o resultado for positivo, está no bom caminho. Significa que se vendesse tudo hoje teria dinheiro suficiente para pagar as despesas e ainda sobrava capital. Se for negativo talvez esteja na altura de reavaliar o seu orçamento.
 
3- Avalie a sua liquidez
Ao analisar as suas finanças é importante também avaliar a liquidez. Para isso poderá utilizar a seguinte equação: activos líquidos - passivo circulante = liquidez. São considerados activos líquidos, todos os activos convertíveis em dinheiro em menos de um ano, enquanto o passivo circulante são as dívidas que podem ser pagas até um ano. O resultado indica o seu estado de liquidez e deve ser maior do que um, porque esse é o ponto em que ambos os factores são iguais. O ideal é que o resultado seja maior que dois. Significa que os seus activos líquidos são o dobro das dívidas de curto prazo. Por exemplo se tem 1000 euros em depósitos e tem 500 euros no cartão de crédito, o resultado é 1000/500= dois.
 
4- Elabore um mapa de receitas e despesas
Anote diariamente as suas despesas no seu mapa e verifique quanto é que cada despesa pesa no seu orçamento. No caso das despesas com a casa o ideal é que não pese mais do que 35% do seu orçamento. E nas despesas com a casa incluem-se: o empréstimo, juros e seguro, despesas como água, luz, gás, telefone internet, etc.
 
5- Contabilize o peso das dívidas
Avalie quanto é que os créditos pesam no seu orçamento. Se ultrapassam os 40% e prevê que esse valor aumente, tenha atenção, porque está na zona vermelha. Inicie uma dieta de dívidas e comece por eliminar as dívidas com as taxas de juro mais elevadas.
 
6- Elimine os gastos supérfluos
Avalie as despesas desnecessárias que podem ser reduzidas ou eliminadas, sem que isso afecte o seu bem-estar. Veja quanto pesam no seu orçamento. Pode estar aí a resposta para o facto de não poupar ou de poupar pouco.
 
7- Esteja atento às suas poupanças
Avalie a sua saúde financeira em função do montante mensal que poupa. Se ainda não poupa comece a fazê-lo, por muito pouco que possa parecer. Estabeleça um valor, por exemplo, 10% de poupança que deve ser feita assim que receba. Nunca deixe para o final do mês para ver se sobra, normalmente nunca sobra. Retire esse dinheiro logo no inicio e viva com o restante.
 
8- Crie um fundo de emergência
Para avaliar a sua condição financeira é indispensável que saiba se está prevenido contra imprevistos. Assim sendo, se deixasse hoje de trabalhar, por exemplo, por motivos de desemprego, quantos meses conseguiria sobreviver mantendo o mesmo nível de despesas? O ideal é ter um fundo de emergência (em activos líquidos) que lhe permita viver entre 3 a 6 meses com o mesmo nível de despesas. Ou seja, se tem 500 euros de despesas mensais deverá ter um fundo de emergência entre 1500 e 3000 euros.
 
9- Estabeleça diferentes níveis de poupança
Está a separar as suas poupanças em função dos objectivos? Se a resposta é não, então talvez seja útil começar a fazê-lo. Crie diferentes cestas de poupança. Por exemplo: Cesta de poupança para a reforma, fundo de emergência, cesta para amortizar créditos, cesta de objectivos (carro, férias, etc). Esta organização vai permitir organizar melhor as suas poupanças e aumentar a saúde financeira do seu orçamento familiar.
 
10- Defina objetivos
Trace os seus objectivos de vida (comprar um carro, casa, pagar os estudos, etc) e ajuste o seu orçamento em função desses objectivos. Um casal com 30 anos certamente terá objectivos diferentes de um casal de 50 anos.

 

Ficam as dicas!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

10 Dicas para ensinarem as crianças a pouparem

Ba 01.06.17

A propósito do Dia Mundial da Criança resolvi fazer um vídeo com algumas dicas e ideias para começarem a incentivar os mais novos a pouparem. Muitas vezes perguntam-me com que idade se devem falar destes temas, e a minha resposta é sempre a mesma: quanto mais cedo melhor. Claro que convém adequar os conteúdos e abordagem. Mas os miúdos são muito mais atentos do que nós pensamos. Fiquem com o vídeo e partilhem também as vossas dicas.

Já subscreveram o canal? É só clicar aqui e depois onde diz "subscrever". Assim podem ver todos os vídeos em primeira mão. Simples. 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

As mulheres e o dinheiro: 8 dicas para gerir as suas finanças

Ba 08.03.17

womenmoney.jpg

(Foto: Credit)

 

Há diferenças na relação com o dinheiro entre homens e mulher. Em primeiro lugar há fatores diferentes: as mulheres tendem a ganhar menos do que os homens (mesmo em posições semelhantes), a esperança média de vida é superior, em situações de divórcio demoram mais tempo a recuperar financeiramente e, por norma, costumam ficar com os filhos a cargo, as mulheres tendem a delegar mais frequentemente as questões financeiras noutras pessoas. Todos estes fatores são determinantes para que a relação com o dinheiro seja diferente entre homens e mulheres.

 

1) Não delegue noutra pessoa – como o marido ou namorado – a gestão do seu dinheiro. O ideal é ser você mesma a cuidar do seu dinheiro e estar a par da saúde das suas finanças.

 

2) Estabeleça objetivos financeiros e metas de poupança. Comece por fazer um orçamento para descobrir qual o estado atual das suas finanças e depois defina as metas que pretende atingir.

 

3) Aumente a sua literacia financeira. É essencial que olhe para este saber como um investimento que lhe vai dar retorno. Invista nalguns livros, agenda, cursos, acompanhe blogs e sites e leia informação relevante. Só assim ficará melhor preparada para gerir de forma eficaz as suas finanças

 

4) Crie um fundo de emergência. Uma situação de desemprego, doença, divórcio ou morte de um elemento da família é uma situação inesperada que pode levar a uma situação financeiramente complicada. Comece por definir um valor de poupança mensal que destinará à criação deste fundo de emergência que deverá ter o suficiente para, pelo menos, suportar o equivalente a 3 a 6 meses de despesas.

 

5) Gaste menos do que ganha e invista a diferença. Se quer ver a sua poupança a crescer tem de conseguir que o saldo entre o que recebe e o que gasta seja positivo. E para que as suas poupanças cresçam deverá investir de acordo com o seu perfil de risco.

 

6) Envolva toda a família na gestão do orçamento familiar. Aproveite para ir transmitindo conceito de finanças pessoais, e de poupança, aos filhos e falem sobre o tema.

 

7) Não tenha medo de falhar. Muitas vezes há um receio de definir um plano e de não o atingir. Não tem qualquer mal. Os planos existem para nos orientar mas podem ser refeitos, ajustados. O ideal é aprender com os erros e definir novas metas.

 

8) Seja consciente nas compras e avalie se determinado produto ou serviço é algo que deseja ou que necessita. Não há mal nenhum em comprar coisas que desejamos – seja roupa, sapatos, uma viagem, etc – o importante é que o orçamento tenha capacidade para acomodar essa despesa.

 

Ficam as dicas!

 

10 Dicas para comprar nos Saldos

Ba 29.12.16

saldos_2.jpeg

Apesar de já não haver uma data legal para os saldos, a verdade é que os grandes ratalhistas têm mantido mais ou menos as mesmas datas que antigamente. E porque os saldos já arrancaram aproveitei para recuperar um texto que já tinha escrito aqui com 10 dicas para aproveitarem melhor os saldos:

 

1) Faça uma lista – Para que consiga ser eficaz nas compras, o ideal é fazer primeiro um levantamento do que quer comprar. Fazer uma lista irá ajudá-lo a saber o que lhe faz mais falta ou necessita substituir.

 

2) Estipule um orçamento – Haver produtos a metade do preço pode ser uma boa oportunidade. No entanto, caso não haja um limite pré-definido muito facilmente poderá descontrolar o seu orçamento.

 

3) Compare preços – Se procura um artigo específico vale a pena comparar o mesmo produto em várias lojas. Mesmo em período de saldos consegue-se encontrar grandes diferenças de preços.

 

4) Online – Além das lojas físicas muitas lojas online também fazem as mesma promoções. Aliás, algumas até fazem saldos mais apelativos. É uma boa forma também de evitar as confusões das loja.

 

5) Vá às compras com roupa confortável – Se pretende aproveitar os saldos na roupa, e vai ter de experimentar várias peças, opte por levar uma roupa prática e confortável para ser mais simples.

 

6) Invista em básicos – Para quem aproveita esta altura para renovar algumas peças do guarda-roupa a aposta em básicos é sempre uma boa opção. Ao contrário de outras peças mais da moda, e que hoje estão na berra mas que depois não vai voltar a usar, as peças mais básicas tendem a ser aquelas que mais utilizam e, por isso, esta é uma boa altura para reforçar com preços mais reduzidos.

 

7) Inspecione os artigos – Na altura de saldos muitas lojas ficam sempre um pouco mais confusas e há peças, quer de roupa ou mesmo outros artigos que podem não estar em perfeito estado, de modo a assegurar que não trará um produto com defeito.

 

8) Roupa de criança – Para quem tem crianças esta é uma boa oportunidade para investir em roupa e sapatos. Opte por tamanhos maiores ou compre peças para agora e para daqui a um ano. Eu costumo fazer isso e, até hoje, nunca comprei nenhuns sapatos para os meus filhos fora de saldos, o que permite investir num calçado melhor.

 

9) Trocas de devoluções – Por lei as lojas não são obrigadas a fazer trocas ou devoluções, a não ser que o produto tenha um defeito e isso não tenha sido mencionado no acto da compra. Muitas lojas dão essa possibilidade por uma questão de cortesia. Informe-se antes de fazer a compra e o modelo de troca/devolução.

 

10) Na dúvida pense – Se está com dúvidas se deve ou comprar um determinado artigo, sai da loja. Se possível pode pedir para guardar o artigo uma hora e dê uma volta para o ajudar a refletir. Volte a olhar para o seu orçamento, lista e quanto gastou e avalie se vale a pena.

 

 Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.