Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As dicas da Ba

Um blog 360º com dicas e sugestões para as diferentes áreas da vida.

O que fazer com o subsídio?

Ba 01.08.17

bank-note-209104_1920.jpg

Muitos portugueses aproveitam o dinheiro dos subsídios para umas merecidas férias, para pagar algumas despesas extras ou mesmo poupar. Além de gastar, existem três destinos que poderá dar a esse rendimento extra:

 

Poupar

Aproveitar o subsídio para poupar tem sido uma opção a que muitas famílias têm recorrido nos últimos tempos, de forma a prevenir algumas situações imprevistas que possam vir a acontecer. Para quem não tem qualquer tipo de poupança, aproveitar os subsídios para colocar algum dinheiro de parte pode ser uma boa opção, seja o objetivo constituir um fundo de emergência, poupar com uma finalidade específica como ir férias, mudar os móveis da casa, para uma conta dos filhos ou outra meta qualquer. Já para quem tem algum dinheiro de parte pode ser uma oportunidade de reforçar a poupança. O ideal é que tenha uma poupança de emergência para alguma eventualidade e depois outras cestas de poupança, como por exemplo para a reforma.

 

Amortizar dívida

Reduzir dívida. Este é outro dos destinos que poderá dar ao subsídio. Assim, pode aproveitar o rendimento extra para amortizar parcial, ou totalmente, uma dívida. Caso consiga eliminar, por exemplo, o pagamento de um cartão de crédito será uma boa forma de ganhar folga no seu orçamento. Além de contribuir para o seu desendividamento está também a conseguir ganhar margem para, com esse dinheiro, definir novos objetivos. Deve ter atenção que, caso tenha mais do que um empréstimo e tem dúvidas sobre qual abater, deve começar por aqueles que apresentam taxas de juro mais elevadas. 

 

Investir

Para quem prefere optar por uma poupança mais de médio e longo prazo, como para a compra de casa, universidade dos filhos ou mesmo para a reforma, investir o subsídio é uma opção a ter em conta. Aplicação de dinheiro em produtos de investimento deve obedecer sobretudo ao seu perfil de risco: conservador, moderado, arriscado. Os depósitos ou Planos Poupança Reforma sob a forma de seguros tendem a apresentar rendibilidades mais baixas mas garantem o capital aplicado. Caso opte por investir, por exemplo, em ações ou fundos apesar de haver a possibilidade de obter um maior retorno, o risco também é maior. O importante é informar-se sobre os vários produtos e opções de investimento. O ideal será conseguir um rendimento, pelo menos, acima do valor da inflação, caso contrário não estará a rentabilizar verdadeiramente o seu dinheiro, uma vez que o efeito da inflação (subida generalizada) acaba por poder anular o retorno. 

 

Faça as contas e veja qual o melhor caminho a dar ao seu subsídio. Poderá também optar por um combinação das três opções. O importante é que tome a melhor decisão para a sua estabilidade financeira.

 

Fica a dica!

 

Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

 

Subsídios em duodécimos: sim ou não?

Ba 03.01.17

Duodécimos.jpg

Este ano, os funcionários públicos e pensionistas vão receber 50% do subsídio de Natal em novembro de 2017 e os restantes são pagos em duodécimos ao longo do ano. E, para estes é mesmo assim, não há outra escolha. Já no caso dos trabalhadores do setor privado existe a opção de escolha.

 

Os trabalhadores do privado têm de comunicar até dia 6 de Janeiro de 2017 se pretendem receber metade do subsídio de Natal e de Férias em duodécimos ou se preferem receber por inteiro nas alturas devidas. Caso o trabalhador não diga nada, por defeito, os subsídios serão processados em duodécimos. Quem não quiser terá mesmo de avisar a entidade trabalhadora.

 

Qual a melhor opção?

 

Não existem respostas corretas, tudo vai depender do orçamento de cada pessoa:

 

- Em termos fiscais é completamente indiferente caso opte pelos duodécimos ou não. Aqui trata-se de uma opção meramente financeira para o orçamento de cada família.

 

- Por um lado ao receber os subsídios em duodécimos está a receber um adiantamento dos mesmos e, se preferir, poderá colocar esse dinheiro de parte e até pôr a render;

 

- Por outro, ao receber metade dos subsídios por mês poderá ter a tentação de ajustar as despesas aos rendimentos e depois, na altura de pagamento dos subsídios, fazer-lhe diferença os restantes 50% que foram pagos ao longo do ano. Ainda assim, para algumas famílias estes acréscimo mensal pode fazer diferença.

 

Seja qual for a escolha o importante é que a comunique dentro do prazo.

Fica a dica!

Partilhem!

 

 Leia também: Como definir os objetivos de poupança para 2017.

 

 Acompanhem também a página do FacebookInstagram e Canal.

Como se calcula o valor dos subsídios da licença parental

Ba 14.03.13

Embora haja, por vezes, alguma confusão relativamente aos montantes a serem pagos pela Segurança Social, a verdade é que o valor dos subsídios da licença parental calcula-se através da remuneração de referência (RR). Esta não é mais do que a média de todas as remunerações declaradas à Segurança Social pela entidade patronal nos primeiros seis meses dos últimos oito meses (a contar do segundo mês anterior àquele em que começa o impedimento para o trabalho).

Confuso? Vamos a exemplos. Se entrar de licença em Março, conta o que foi declarado pela entidade empregadora, em média, durante os meses de Julho a Dezembro.

O cálculo é o seguinte: RR = R/180
Em que R é igual ao total das remunerações registadas nos primeiros 6 meses civis imediatamente anteriores ao segundo mês que antecede o início do impedimento para o trabalho.

No caso de não ter seis meses de descontos na Segurança Social e o direito ao subsídio ser reconhecido por terem sido considerados períodos de descontos noutros regimes obrigatórios de Segurança Social, nacionais ou estrangeiros, é feita a média das remunerações declaradas à Segurança Social no período anterior ao impedimento e até ao início do mês em que o mesmo ocorreu.

O cálculo é feito da seguinte maneira:

A remuneração de referência é igual ao total das remunerações registadas até ao início do mês em que ocorrer o evento a dividir por 30 vezes o número de meses com remunerações registadas (com descontos), ou seja:
RR = R/ (30XN)

Para o cálculo não contam nem os subsídios de férias nem de Natal declarados nesse período.

Fica aqui a dica para fazer as contas. Depois de submetidos os papéis na Segurança Social é possível ir consultando o processo online e, antes mesmo do pagamento (mas já após a provação) saber o valor exacto de quanto se vai receber.

Para mais esclarecimentos pode aceder ao site da Segurança Social.

Leia ainda:

"Quanto recebem os pais de subsídio pela licença parental"

"Direitos dos pais: As várias licenças parentais existentes"

Acompanhe "As Dicas da Bá" também no Facebook. Clique aqui e faça "like" da página.

Quanto recebem os pais de subsídio pela licença parental

Ba 14.03.13


Uma das dúvidas que surge relativamente a cada uma das licenças de parentalidade é o valor dos subsídios. Uns correspondem a 100% do valor de referência, outros a 83% ou 80%.

Para que não fiquem dúvidas o subsídio parental é o valor pago em dinheiro (cheque ou transferência) ao pai ou mãe que estão de licença por nascimento de um filho e destina-se a substituir os rendimentos de trabalho perdidos durante o período de licença, conforme a escolha dos pais.

Aqui ficam os exemplos:

Para quem vai ser pai ou mamã fica aqui a dica sobre quanto os pais recebem.

Leia ainda: 

"Como se calcula o valor dos subsídios da licença parental"

"Direitos dos pais: As várias licenças parentais existentes"


Acompanhe "As Dicas da Bá" também no Facebook. Clique aqui e faça "like da página.